Imagem de: Facebook vai mudar regras para anúncios políticos após polêmica nos EUA

Facebook vai mudar regras para anúncios políticos após polêmica nos EUA

1 min de leitura
Avatar do autor

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, fez uma transmissão ao vivo ontem (21) em sua página na rede social para explicar as próximas ações de sua empresa no que se refere a “preservação da integridade de eleições”. Zuckerberg comentou que o Facebook vai entregar ao congresso norte-americano, bem como aos serviços de inteligência do país, mais de 3 mil anúncios de cunho político veiculados durante o período eleitoral de 2016 nos EUA. Todos esses anúncios foram comprados por perfis falsos supostamente ligados ao governo russo.

Além disso, ele se comprometeu a tornar as regras para anúncios do gênero bem mais rigorosas a fim de dificultar a ação de entidades que tentam manipular os resultados de eleições. Zuckerberg admitiu que é impossível impedir todo tipo de atividade fraudulenta na rede social, mas afirmou ser possível dificultar bastante a vida de quem pretende fazer isso.

Em uma publicação em seu blog oficial, o Facebook explicou que a decisão de entregar dados ao congresso foi uma difícil porque a empresa presa sobretudo pelos dados dos usuários da rede social. Contudo, como se tratavam de perfis falsos claramente comprometidos em manipular as eleições dos EUA, a companhia resolveu enviar o material que tinha ao congresso para investigação.

Anteriormente, o Facebook afirmou ter descoberto que perfis falsos ligados à Rússia gastaram mais de US$ 100 mil em propaganda política na rede social durante as eleições. Na semana passada, a companhia explicou que estava trabalhando com investigadores para resolver essa situação.

Desafio

Em seu pronunciamento ao vivo pela rede social, Zuckerberg afirmou que o Facebook vai trabalhar para impedir que outras eleições sofram influências externas como foi o caso da norte-americana. “Estamos vivendo em um novo mundo. Governos tentando influenciar eleições é um novo desafio com o qual as comunidades da internet terão que lidar”, disse.

Segundo Zuckerberg, o Facebook está dobrando seu quadro de funcionários para trabalhar a favor da integridade de próximas eleições, como a que deve acontecer me breve na Alemanha. Fora isso, mais 250 pessoas serão contratadas para integrar as equipes de segurança da rede social. O Facebook também está conduzindo sua própria investigação acerca da interferência russa nas eleições.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
Facebook vai mudar regras para anúncios políticos após polêmica nos EUA