Se você acessou a internet nos últimos dias e é mais ou menos antenado no incrível mundo dos memes, então você sabe do que a imagem que abre esta notícia se trata. Sim, o meme do “namorado distraído” que tomou conta da web nos últimos dias e, assim como outros memes e virais de antes, surgiu basicamente do nada.

Mas é claro que tudo tem uma origem e, antes de se tornar piada, a fotografia estava apenas armazenada em um banco de imagens. Ela é de autoria do fotógrafo espanhol Antonio Guillem, de 45 anos, cujo trabalho consiste basicamente em fotos de pessoas para abastecer os sites que vendem imagens livre de royalties.

Em 2015, quando ele resolveu diversificar um pouco o seu portfólio, reuniu um trio de modelos e foi até a cidade de Girona, na Catalunha, Espanha, para capturar justamente expressões que retratassem um caso de infidelidade. Após alguns cliques, a imagem que ganhou o mundo recentemente foi criada.

“Foi um tanto desafiador alcançar as expressões faciais críveis”, declarou o autor da fotografia ao site da Wired. “Principalmente porque nós sempre temos uma ótima atmosfera de trabalho, e quase o tempo todo um dos modelos estava rindo enquanto nós tentávamos tirar a foto.”

Seu nome oficial no Shutterstock, um dos mais conhecidos bancos de imagem da internet, é “homem desleal caminhando com a sua namorada e olhando surpreso para outra garota sedutora”. E apesar de ter sido realizada há quase dois anos, porém, foi apenas em janeiro deste ano que ela foi usada como meme pela primeira vez.

Rastreando o meme

Segundo o Tumblr Meme Documentation, responsável justamente por descobrir a origem dos memes que circulam pela internet, a primeira vez em que a fotografia de Guillem foi utilizada como a montagem que está em basicamente todos os lugares da internet atualmente. No caso, um grupo turco no Facebook sobre rock progressivo foi o palco em que o meme debutou (a primeira imagem desta postagem).

Apesar de amanho sucesso, o autor da fotografia não obteve tanto retorno financeiro de sua foto mais famosa. Segundo ele, enquanto as fotos mais populares chegam a ser vendidas 6 mil vezes em um ano, a foto do “namorado distraído” foi adquirida cerca de 700 vezes por ano. E isso faz sentido, afinal quantas pessoas você conhece que já compraram uma fotografia em um banco de imagem para fazer um meme?

Mas Guillem não parece muito preocupado com isso. Para ele, há “boa fé” em quem utiliza as mídias sociais para “remixar” a sua foto, então não há porque tomar medidas legais a respeito disso. As exceções, afirma o fotógrafo, fica por conta de montagens que de alguma forma atingem a reputação dele ou dos modelos.

Cupons de desconto TecMundo: