Caso você esteja por dentro dos principais lançamentos na área da tecnologia que estão programados para 2016, você deve saber que provavelmente esse será o ano da realidade virtual. Três dispositivos prometem nos levar um degrau acima em busca do domínio completo dessa “nova” realidade e serão o teste derradeiro que vai mostrar se a utilização desse tipo de recurso realmente vai se popularizar entre as pessoas.

Com evento marcado para 15 de março, a Sony vai esclarecer as maiores dúvidas referentes ao seu dispositivo de realidade virtual, o PlayStation VR. Uma semana depois, dia 28, vamos poder ter em mãos o aguardado Oculus Rift, feito pela empresa Oculus VR que pertence ao Facebook. Já em abril, o aparelho criado em conjunto pela HTC e pela Valve, o Vive, também chegará às lojas para a alegria dos consumidores.

Seguindo muito próxima dessa onda toda está a Samsung, que revelou recentemente no Mobile World Congress 2016 mais informações sobre a compatibilidade do Galaxy S7 com o acessório Gear VR, um dispositivo menos robusto que os três anteriormente mencionados, mas que vem trabalhando nessa mesma categoria de realidade virtual com a ajuda de um smartphone de última geração.

Mordendo uma fatia do mercado

Era de se imaginar, é claro, que a Google não ia ficar para trás no meio de toda essa “brincadeira”. Aproveitando o hype causado por todos esses lançamentos e todos os avanços na tecnologia de realidade virtual, a empresa tem um ás na manga que não deve decepcionar: o projeto Tango.

Ao que tudo indica, o tema "realidade virtual" deve ser o centro da conferência anual de desenvolvedores da companhia, a Google I/O, que está programada para acontecer no dia 18 de maio. O que se espera é um avanço enorme em relação ao Google Cardboard, um acessório feito para você ter uma experiência VR usando o seu próprio smartphone.

O que ainda apenas se especula é em que ponto desse amplo quadro de novos dispositivos de realidade virtual o projeto tango vai se encaixar: mais para o lado dos aparelhos robustos da HTC/Valve, Sony e Oculus VR, que aproveita o poder de um computador ou um console para imergir o usuário na experiência de VR, ou mais na direção do Gear VR, que com sua simplicidade utiliza a tecnologia dos smartphones e é muito mais portátil que os anteriores?

Projeto equilibrado

Ao que tudo indica, o projeto Tango da Google deve se posicionar em algum lugar entre essas duas perspectivas, utilizando como ferramenta principal um dispositivo móvel, como um tablet ou um smartphone, mas ainda assim trazendo para o usuário tipos de experiência que só seriam possíveis de se realizar com um hardware mais robusto, como acontece como os aparelhos que se conectam a computadores e consoles.

Dieter Bohn, do site The Verge, esteve presente no escritório da Google e conversou com Johnny Lee, o responsável pelo desenvolvimento do projeto Tango. Lá ele fez parte de testes interessantíssimos, como é possível ver no vídeo a seguir, onde, utilizando apenas um tablet com sensores, hardware e software especiais, ele foi capaz de fazer parte de uma maneira bastante profunda de jogos e outros programas que exploram o próprio ambiente onde ele se encontra utilizando recursos avançados de realidade aumentada e virtual.

Entrando de cabeça no mundo virtual

Sabe-se que a Google não está de brincadeira com o desenvolvimento dessa tecnologia, inclusive tendo criado uma divisão especial apenas focada na realidade virtual e aumentada. Quem lidera essa empreitada é o vice-presidente de realidade virtual Clay Bavor, que deixou a parte de aplicativos da companhia, passou pelo Google Cardboard e tem realizado diversos experimentos na área de VR.

Essa categoria vai reunir tudo que há de mais avançado sendo criado pela Google, unindo Cardboard com outro projeto chamado Jump, um equipamento que funciona como câmera de realidade virtual de código-fonte aberto que trabalha com a plataforma de nuvem da empresa e cria vídeos esteroscópicos em 360 graus.

Some tudo isso com indícios revelados pelo Financial Times no começo desse mês mostrando que a Google estaria com ideias de lançar algo parecido com o Gear VR da Samsung, mas “com melhores sensores, lentes e um case plástico mais resistente”. Além disso, o próximo Android já traria tudo o que fosse necessário para os recursos de realidade virtual rodarem sem problemas, explorando da melhor maneira possível o hardware dos dispositivos móveis nos quais estiverem instalados.

No rumo certo

Juntando todas as peças, seria possível apostar que a Google vem com tudo para entrar nesse novo mercado de realidade virtual. Podemos esperar novas informações e até alguns produtos já direcionados na Google I/O em maio.

Certamente uma empresa como a Google, tão importante nesse ramo de tecnologia e internet, não vai se deixar ficar para trás nessa nova “corrida espacial” que é o domínio e a popularização da realidade virtual, que esperamos poder ser considerado o novo “grande salto” para a humanidade.

Você acha que a Google vai se dar bem na categoria de dispositivos de realidade virtual? Comente no Fórum do TecMundo

Cupons de desconto TecMundo: