Chip do Pixel 6, Google Tensor perde para iPhone de 2018 em teste

1 min de leitura
Imagem de: Chip do Pixel 6, Google Tensor perde para iPhone de 2018 em teste
Imagem: Google/Divulgação
Avatar do autor

O banco de dados Geekbench recebeu as primeiras pontuações do Google Tensor, processador que alimenta a linha Pixel 6. Em partes, os resultados de desempenho não favorecem os celulares recém-lançados.

Em uma comparação, o primeiro chip mobile desenvolvido pelo Google é derrotado pelo A12 Bionic da Apple. Surpreendentemente, o processador da série iPhone XS foi lançado originalmente em 2018.

Resultados do Pixel 6 Pro (Google Tensor) e do iPhone XS Max (A12 Bionic) no Geekbench.Resultados do Pixel 6 Pro (Google Tensor) e do iPhone XS Max (A12 Bionic) no Geekbench.Fonte:  Geekbench/9lekt/Reprodução 

Os resultados do Geekbench mostram que o Google Tensor obteve 1.012 pontos no teste single-core e 2.760 na avaliação multinúcleos. Enquanto isso, o A12 Bionic teve pontuações de 1.117 e 2.932 nos mesmos testes.

É evidente que o chip da Apple com três anos no mercado consegue superar com leve folga o novo produto do Google. O que pode ser um dado negativo para consumidores que se baseiam fielmente no benchmark para adquirir novos dispositivos.

Além disso, análises recentes também indicam que o Google Tensor é mais lento do que o Snapdragon 888. Atualmente, o chip da Qualcomm está presente em quase todos os principais modelos de smartphones top de linha com sistema Android.

Google Tensor tem uma proposta diferente dos concorrentes.Google Tensor tem uma proposta diferente dos concorrentes.Fonte:  Google/Divulgação 

Processadores com diferentes propostas

Para os especialistas, os resultados de benchmark são apenas um lado da história. Apesar de o chip não brilhar em performance bruta, o Google tem a vantagem do controle sobre o hardware e o software do celular combinado com as melhorias trazidas pelo Android 12.

Seguindo um caminho diferente, a Google pode ter escolhido sacrificar o desempenho para ter uma operação sem superaquecimento do chip e com maior vida útil da bateria. Em troca, a GPU do novo chip entrega desempenho superior aos principais carros-chefes do Android atualmente.

Para mais, a big tech deixa claro que o foco do Google Tensor é o processamento rápido de algoritmos de IA, machine learning e câmera avançada. Dessa forma, a empresa pode oferecer dispositivos realmente inteligentes aos usuários.