Todo mundo conhece o WikiLeaks. O site, que está no ar há uma década, faz barulho em centenas de países com os documentos anônimos que são expostos. Nele, assuntos graves são tratados: especulações políticas e até informações confidenciais de governos. O vespeiro é remexido de tal maneira que o criador do WikiLeaks, Julian Assange, está "preso" na embaixada equatoriana em Londres desde 2012. 

Apesar de tudo isso, o WikiLeaks sempre pareceu um pouco distante para o brasileiro. Seja pelo idioma inglês ou pela interface. Por isso, o objetivo de expor documentos secretos e informações que comprometem a política local sempre teve um empecilho. Agora, do que depender de uma nova plataforma, a GlobaLeaks, isso vai mudar. 

O BrasiLeaks é uma nova ferramenta que pretende levar "transparência para os poderosos e privacidade para o povo". Baseada na GlobaLeaks, é um meio para denúncias anônimas, com sigilo de fonte garantido pelo artigo 5° da Constituição Brasileira, que vai mostrar materiais diversos. Isso inclui: vazamentos de governos ou empresas, assuntos sensíveis, como corrupção, fraude, desvio de verbas, abuso de poder e até opressão em corporações, universidades e ambientes com relações de hierarquia. 

As denúncias não vão servir meramente para mapeamento/registro, mas sim para a liberação ao público

Segundo os criadores, o objetivo do BrasiLeaks é o “impacto de a informação revelada ser amplificada ao máximo, tanto em nível midiático como civil e legal”.  Anônimos, os criadores apenas comentaram que são “pessoas preocupadas com o anonimato e a privacidade de quem usa a internet no Brasil para circular informações de acesso restrito e que sejam importantes para a sociedade”. A questão sobre o anonimato também é respondida simplesmente: “para que a pessoa não sofra com perseguições, represálias e até assassinato”.

Paralelo com o WikiLeaks? 

Apesar do que citamos anteriormente, os criadores do BrasiLeaks ainda estão em processo de regularização de uma ONG. Dessa maneira, ela poderá responder pela ferramenta e lidar de forma mais clara com toda a burocracia que envolve uma plataforma desse porte.

Para você entender melhor o mote da ideia, trouxemos o nome do WikiLeaks — afinal, ele se tornou um dos sites de maior relevância política no mundo. Contudo, a visão que os criadores têm do BrasiLeaks é diferente, e você pode entender melhor agora, com a resposta na íntegra:

TecMundo: A ideia é ser o “WikiLeaks” brasileiro?

BrasiLeaks: Talvez a imprensa veja dessa forma por ser a primeira iniciativa desse tipo no país. No entanto, estamos usando a plataforma GlobaLeaks, criada por programadores italianos com o intuito de oferecer um serviço descentralizado para denúncias e que pudesse ser implementado por qualquer grupo de pessoas, em qualquer lugar do mundo.

TecMundo: E qual é a diferença palpável entre as duas plataformas?

BrasiLeaks: Uma rede de vazamentos e denúncias distribuída pelo mundo, além de democratizar o “modelo WikiLeaks”, traria menos vulnerabilidade e menos chances de o tipo de serviço prestado simplesmente acabar com a derrubada de uma ou outra plataforma. Seguindo essa lógica, não faz sentido ser o “WikiLeaks brasileiro”, pois isso significaria justamente centralizar a coisa toda numa única iniciativa. Esperamos que outras iniciativas semelhantes apareçam pelo país.

Todo mundo vai ter acesso à minha denúncia?

Vale lembrar que, apesar de a ideia apresentar qualquer assunto sensível, seria “irresponsabilidade” se tornar uma publicadora de documentos e denúncias sem fundamentos. Por isso, o BrasiLeaks não tem a pretensão de publicar denúncias. A pretensão é se tornar uma plataforma para receber essas denúncias e “passar adiante para jornalistas, coletivos de midiativismo, organizações de Direitos Humanos etc.”.

O BrasiLeaks busca parcerias com profissionais ou veículos da mídia que “ficarão responsáveis pela maior parte da filtragem do material recebido, pela apuração e investigação das denúncias, além da elaboração de algum conteúdo a ser publicado”.

Ainda, o “trabalho de apuração deve ser eficiente, para que o nosso serviço não acabe provocando danos irresponsáveis a indivíduos ou à sociedade”. Isso significa que as denúncias não vão servir meramente para mapeamento/registro, mas sim para a liberação ao público.

Eu quero denunciar. Como faço?

O BrasiLeaks deixa claro que você precisa navegar com o Tor caso queira preencher uma denúncia. O navegador Tor é uma versão modificada do Firefox que, assim que é aberto, inicia automaticamente uma série de processos para que o tráfego de dados seja redirecionado para a rede Tor.

Essa rede é “construída de forma voluntária por pessoas de todo o mundo, e os dados e metadados que passam por ela são criptografados repetidas vezes, garantindo assim a privacidade e o anonimato para quem estiver fazendo a denúncia por meio da plataforma”, comentaram os criadores. Ainda, o Tor vem com a extensão “HTTPS Everywhere”, que força a conexão com sites a usar um protocolo mais seguro de comunicação, a HTTPS.

Nós já ensinamos como você pode baixar e usar o Tor — e você pode saber mais clicando aqui. O pessoal do BrasiLeaks também ensina os passos no próprio site. “Mas, eles vão saber a minha identidade?”, você pode estar se perguntando. A resposta é não: “Nós, do BrasiLeaks, não temos como identificar o computador de origem dessa denúncia nem qualquer outra coisa sobre a pessoa que enviou informação sigilosa — a não ser que no conteúdo exista algo do tipo”.

Denuncie neste link.

Porém, estamos na internet — e até o pessoal do BrasiLeaks entende essa questão. Eu, você e eles só não estamos protegidos de uma coisa: vigilância de massa. E, sobre isso, você vai saber mais em breve aqui no TecMundo.

O que você achou da plataforma de denúncia BrasiLeaks? Comente no Fórum do TecMundo

Cupons de desconto TecMundo: