Análise: smartphone Google Motorola Nexus 6 [vídeo]

16 min de leitura
Imagem de: Análise: smartphone Google Motorola Nexus 6 [vídeo]
Avatar do autor

A exemplo do tablet HTC Nexus 9, o lançamento do smartphone Google Motorola Nexus 6 também representa uma mudança de paradigma para a linha de produtos da empresa. Saem de cena os aparelhos com configurações voltadas para aqueles que buscam uma boa relação custo-benefício e ganham destaque os modelos robustos, com hardware para brigar pelo título de top de linha do mercado.

Em relação ao Nexus 5, as mudanças são significativas. Praticamente tudo aumentou, desde as especificações técnicas até o tamanho da tela e, principalmente o preço. Aliás, em se tratando do tamanho do display, as 5,96 polegadas do Nexus 6 poderiam facilmente colocá-lo na categoria phablets, mas a Google prefere confrontá-lo com smartphones. Assim sendo, é dessa forma que vamos tratar o aparelho.

Disponível nos Estados Unidos desde novembro de 2014, no Brasil seu lançamento ainda é incerto e pode até nunca vir a acontecer. A Motorola, responsável pela fabricação do dispositivo, ainda não tem nenhuma previsão de lançamento do modelo nas lojas nacionais. Entretanto, o celular já é realidade para aqueles que têm a oportunidade de importar ou viajar para o exterior.

Será que vale a pena investir o seu dinheiro no mais novo integrante da família Nexus? Isso é o que vamos descobrir agora em mais uma superanálise do TecMundo.

Google Motorola Nexus 6: especificações

Design

Antes de falarmos sobre o design do Nexus 6, aqui vai um aviso: estamos falando de um aparelho grande, talvez o maior do segmento que já tenha passado pela redação do TecMundo. Ele é maior do que o Samsung Galaxy Note 4, do que o iPhone 6 Plus e do que o LG G3. Ou seja, se você sentiu algum desconforto em manusear algum desses aparelhos, passe longe do Nexus 6.

Independente do fato de ele ser desconfortável para alguns, vale lembrar que a proposta dele é a de ser um aparelho maior mesmo. Portanto, essa é muito mais uma questão de gosto do que de um ponto positivo ou negativo. Se para você essa característica não é um problema, ótimo: você já pode considerar o Nexus 6 nas suas pesquisas para a compra de um novo smartphone.

Pela primeira vez a fabricação de um smartphone da linha Nexus fica sob a responsabilidade da Motorola, empresa que foi adquirida pela Google, mas já foi repassada à chinesa Lenovo. A companhia apostou em um design muito parecido com o do Motorola Novo Moto X. Aliás, a título de curiosidade, na China o Nexus 6 é vendido como Motorola Moto X Pro, uma prova da similaridade entre ambos.

Apesar do seu tamanho, o produto consegue ser bastante ergonômico. O acabamento em metal nas bordas passa uma sensação muito agradável ao segurar o aparelho. A carcaça traseira do smartphone é construída em plástico, com uma curvatura bastante acentuada, o que dá a impressão de que ele é mais fino do que realmente é. As bordas nos cantos são extremamente finas.

A tampa traseira não é removível e, como resultado disso, o aparelho não conta com entrada para cartão micro SD. A bateria também não pode ser acessada. Destaca-se ainda na parte traseira a logo da Motorola e a inscrição “Nexus” em baixo relevo. Nas laterais ficam o botão power e os controles de volume. A entrada para o SIM Card (nano SIM) está localizada na parte superior, ao lado da saída para fones de ouvido.

Por fim, é hora de esclarecer outra dúvida: o Nexus 6 é à prova d’água? Diversos vídeos disponíveis no YouTube mostram testes realizados com o aparelho em que ele foi submerso ou colocado debaixo da torneizra e resistiu. Entretanto, de acordo com a Google, não há nenhum tipo de certificação que indique essa característica. Ou seja, ele pode até resistir, mas caso alguma coisa dê errado, é por sua conta e risco e não há cobertura da garantia para incidentes como esses.

Tela

Com um display de 5,96 polegadas, o Nexus 6 de imediato já se coloca entre as maiores telas de sua categoria, levando vantagem até mesmo se comparado com alguns modelos de phablet. O display tem resolução de 2560x1440 pixels e, mesmo com o tamanho nada singelo, a densidade de pixels chega aos 493 ppi – um número que pode ser considerado excelente.

Na prática as qualidades técnicas também podem ser comprovadas com facilidade. Os índices de brilho e contraste estão entre os melhores. Basta gerenciar o nível de brilho da tela para perceber o amplo espectro contemplado pelo aparelho. Essa característica se torna uma vantagem também sob a luz do sol, já que em momento algum de nossos testes a visibilidade do conteúdo foi prejudicada.

A alta densidade de pixels auxilia também a vida daqueles que pretendem usar o dispositivo para leitura, seja de páginas na web ou de ebooks (acredite, a tela do Nexus tem um tamanho muito próximo ao de um tablet). A legibilidade das fontes se destaca positivamente. As nuances de cores em jogos também entram pra lista dos itens que aprovamos no Nexus 6.

Mesmo não contando com a tecnologia IPS, o display AMOLED dá conta do recado. O ângulo de visão da tela é amplo e, mesmo quando ela é vista de ângulos desfavoráveis, praticamente não há distorção de cores ou algum empecilho que possa prejudicar e visibilidade. Em termos de proteção, a tela do Nexus 6 conta com a Gorilla Glass 3, da Corning, considerada o que há de mais moderno nesse segmento.

Bateria

O Nexus 6 conta com uma bateria cuja capacidade é de 3.220 mAh, numericamente a mesma capacidade do Galaxy Note 4, por exemplo. Na prática o desempenho do aparelho é satisfatório e, em uso moderado, será comum pegar o aparelho pela manhã com carga cheia e chegar até o fim da noite com a bateria na faixa dos 20% a 30%. Para a maioria dos usuários, não haverá problema algum nesse sentido.

Agora, se você é daqueles que usam o celular de forma mais estressante, saiba que será bom levar com você o carregador para qualquer emergência. Em nossos testes, foi preciso mais de sete horas de exibição contínua de vídeos no Netflix para que a bateria se esvaísse por completo – números bastante condizentes com a média dos concorrentes. Se ele não é um “fenômeno” nessa categoria, pelo menos cumpre muito bem o seu papel.

A boa notícia fica por conta do Turbo Charger, o carregador do aparelho incluído no pacote. Ele realmente faz uma boa diferença na hora de recarregar a bateria. Em nossos testes, foi possível preencher 50% da carga em apenas 48 minutos, uma média de mais de 1% de carga por minuto. Além disso, não há efeitos colaterais indesejados no processo, ou seja, o celular não esquenta acima do normal enquanto é carregado.

Câmera

A câmera traseira do Nexus 6 conta com um sensor de 13 megapixels de resolução, com abertura focal f/2.0. O sensor do aparelho é o modelo IMX 214, fabricado pela Sony. Na prática, o conjunto do Nexus 6 é similar ao do Motorola Novo Moto X, ou seja, embora ele seja a garantia de boas imagens, dificilmente podemos coloca-lo entre as câmeras mais precisas disponíveis nos smartphones top de linha da atualidade.

O recurso de estabilização óptica de imagem também está presente, assim com o flash auxiliar dual-LED. Como resultado de tudo isso, você terá acesso a imagens de boa qualidade em ambientes cuja iluminação seja favorável. Já em fotos noturnas a situação é menos agradável e o índice de ruídos é bastante perceptível. Não é nada que torne a câmera ruim, mas certamente esperávamos mais para um aparelho top de linha.

Já na gravação de vídeos, outro aspecto merece ser mencionado: embora a qualidade de imagem seja satisfatória, pesa contra o resultado final o fato de que o áudio é gravado apenas em mono – o que pode decepcionar quem espera resultados com maior nível de profissionalismo. Por fim, o software de câmera se destaca pelo bom número de recursos e pela acessibilidade facilitada às suas principais funções.

Áudio

Infelizmente o Nexus 6 não vem acompanhado por fones de ouvido. Embora essa característica não possa ser considerada um ponto negativo, não deixa de ser curioso o fato de um top de linha não contar com um acessório como esse, por mais simples que seja. Basicamente isso obriga o usuário dispor de algum fone de ouvido comprado à parte ou se contentar com as saídas de áudio que o aparelho oferece.

O Nexus 6 conta com dois alto-falantes frontais, localizados nas partes superior e inferior do aparelho. Seu posicionamento central se mostra adequado durante o manuseio do celular, já que durante jogos dificilmente o usuário cobrirá as saídas de áudio com as mãos. Além disso, durante a exibição de filmes, séries e vídeos, elas também garantem que o espectador seja impactado frontalmente pelo som, o que pode ser considerado ideal.

No quesito qualidade de áudio o aparelho não deixa a desejar, mas não podemos classifica-lo entre os melhores da categoria. Não há absolutamente nada que desabone o produto nesse quesito, mas o volume soa um pouco baixo mesmo quando está configurado no máximo. O nível de distorção e de ruídos é quase inexistente.

Software

Testes de benchmark

Para a realização desta análise, submetemos o LG Nexus 6 a cinco aplicativos de benchmark. São eles: 3D Mark (Ice Storm Unlimited), AnTuTu Benchmark 5, Basemark X, GFX Bench (T-Rex HD Off Screen e T-Rex HD On Screen) e Vellamo Mobile Benchmark (HTML 5 e Metal).

Para efeito de comparação, submetemos aos mesmos testes os seguintes smartphones: Sony Xperia Z3, Novo Moto X, LG G3, OnePlus One, Moto Maxx e HTC One (M8). O resultado de cada um dos testes, bem como o significado das pontuações, você confere no quadro abaixo.

3D Mark (Ice Storm Unlimited)

O teste Ice Storm Unlimited, do 3D Mark, é utilizado para fazer comparações diretas entre processadores e GPUs. Fatores como resolução do display podem afetar o resultado final. Quanto maior a pontuação, melhor é o desempenho.

AnTuTu Benchmark 5

Um dos aplicativos de benchmark mais conceituados em sua categoria, o AnTuTu Benchmark 5 faz testes de interface, CPU, GPU e memória RAM. Os resultados são somados e geram uma pontuação final. Quanto maior a pontuação, melhor é o desempenho.

Basemark X

O Basemark X tem como foco principal mensurar a qualidade gráfica dos dispositivos. Baseado na engine Unity 4, o app aplica testes de alta densidade, mostrando qual dos aparelhos se sai melhor na execução de jogos. Quanto maior a pontuação, melhor é o desempenho.

GFX Bench (T-Rex HD)

O GFX Bench é voltado para mensurar a qualidade gráfica. Isso inclui itens como estabilidade de desempenho, qualidade de renderização e consumo de energia. Os resultados são revelados em média de frames por segundo (FPS). Quanto maior a pontuação, melhor é o desempenho.

Offscreen

OnScreen

Vellamo Mobile Benchmark

O Vellamo Mobile Benchmark aplica dois testes ao aparelho: HTML5 e Metal. No primeiro deles é avaliado o desempenho do celular no acesso direto à internet via browser. Já no teste Metal, o número final indica a performance do processador. Quanto maior a pontuação, melhor é o desempenho.

HTML5

Metal

Desempenho

Todo e qualquer aplicativo disponível na Play Store no lançamento do Nexus 6 pode ser executado com muita tranquilidade pelo smartphone. Suas características de hardware o colocam seguramente entre os melhores aparelhos da atualidade. Uma prova disso é o ótimo desempenho que o aparelho obteve em nossos testes de benchmark. Em praticamente todos os testes o aparelho da Motorola venceu os seus concorrentes, uma prova que o seu poder de fogo é dos melhores.

Na prática, nossos testes comprovaram toda essa capacidade. O processador Qualcomm Snapdragon 805, aliado a 3 GB de RAM, tornam as coisas muito mais fáceis e podemos dizer que não há “trabalho duro” para o conjunto. O software otimizado é outro item que torna o tempo de resposta na execução de qualquer aplicativo muito mais rápido.

Seja com filmes ou séries via Netflix, vídeos no YouTube ou ainda jogos, desde os mais leves até os mais pesados, o Nexus 6 dá conta do recado para qualquer situação. Real Racing 3, Batman: Arkham Origins, Robocop, Thor: O Mundo Sombrio e Homem de Ferro e3 são alguns dos exemplos de títulos que rodaram no aparelho sem que o desempenho fosse prejudicado por nenhum motivo.

Contudo, vale salientar que quando alguns desses jogos estão em execução, percebemos que a parte traseira do aparelho esquenta um pouco. Porém, não há motivo para pânico: a temperatura máxima atingida está dentro de parâmetros normais e o não prejudica de forma alguma o desempenho ou o manuseio do aparelho.

Em resumo, com um Nexus 6 nas mãos você tem a certeza de que o seu aparelho não terá dificuldades para rodar nenhum aplicativo por pelo menos um ano. Além disso, há garantia de da Google de que o software será atualizado para a versão mais recente disponível do Android pelos próximos 18 meses.

Interface

Oficialmente o Nexus 6 é o primeiro aparelho a receber o Android 5.0, versão conhecida como Lollipop. O modelo conta com o chamado “Android puro”, ou seja, sem nenhuma customização por parte do fabricante. Esse, aliás, sempre foi um dos maiores diferenciais da linha Nexus desde o lançamento do primeiro modelo, em 2010, que serviu de carro-chefe para a apresentação ao mundo do Android 2.1. Não vamos entrar em detalhes aqui sobre o sistema operacional, mas se você quiser saber mais sobre ele vale a pena conferir o nosso artigo “Análise: Android 5.0 Lollipop”.

As novidades trazidas pela chamada “material design” estão presentes em cada detalhe. As notificações agora são exibidas já na tela de bloqueio e servem como atalho para que você possa acessá-las diretamente. No total, o aparelho conta com cerca de 30 apps pré-instalados, basicamente todos os serviços da Google disponíveis em versão mobile. Os principais estão agrupados na tela inicial em pastas de acordo com o tema em questão.

A integração com o Google Now também está presente. Basta deslizar os dedos para a direita para revelar a tela com acesso rápido a links e serviços baseados em seu perfil de usuário. Se em termos de funcionalidade não há algo novo tão significativo, em termos de usabilidade é possível afirmar que o Android nunca esteve tão bonito e funcional como está agora. Não há nenhum tipo de atraso ou travamento na transição entre telas ou no uso de mais de um app.

Aliás, com exceção da linha de aparelhos da Motorola (mais precisamente os modelos Motorola Moto Maxx e Motorola Novo Moto X), que contam com versões Android consideradas muito “limpas”, nenhum outro smartphone com a versão Lollipop customizada consegue obter um desempenho tão fluído quanto o do “Android puro”, um triunfo que faz com que a linha Nexus continue sendo um grande diferencial nesse quesito.

Vale a pena?

Em termos de hardware, não há muito que discutir: o Nexus 6 certamente é um dos melhores aparelhos disponíveis no mercado na atualidade. Entretanto, da mesma forma como temos absoluta certeza que o seu desempenho não vai deixar nenhum consumidor na mão, não podemos deixar de mencionar o fato de que ele conta com uma tela de 5,96 polegadas, o que faz dele um dos maiores smartphones disponíveis.

Se você não gosta de aparelhos grandes, evitar o Nexus 6 é o melhor caminho. Mesmo pessoas acostumadas com telas maiores podem estranhar, em um primeiro momento, um smartphone tão largo quanto esse, mas sua curvatura atenua um pouco essa sensação. Contudo, vale lembrar que essa é uma característica do aparelho e não um ponto negativo ou positivo.

Caso isso não seja um problema para você, não tenha dúvidas do potencial dele: o processador Snapdragon 805 aliado a 3 GB de RAM dão conta do recado com muita naturalidade. Acredite, com um Nexus 6 em mãos você não vai se preocupar com desempenho por pelo menos um ano, isso fazendo uma previsão modesta. O Android 5.0 puro é mesmo um grande triunfo e é notório seu desempenho acima da média.

Infelizmente, para o consumidor brasileiro, ainda não há previsão de lançamento do Nexus 6 por aqui – o que não significa que isso nunca vá acontecer. No momento, a alternativa é comprá-lo diretamente nos Estados Unidos, onde o modelo mais simples custa US$ 699 (o equivalente a R$ 1.800, sem impostos). Via importação, o valor final do produto beira os R$ 3 mil, o que acaba tornando ele praticamente inviável se compararmos com o que existe no mercado brasileiro na atualidade.

Dessa forma, o Nexus 6 marca o início de uma nova era para os aparelhos da linha Nexus. A briga agora não é mais para entregar o aparelho com melhor custo-benefício, mas sim aquele que apresente mais potência e melhor desempenho. Sob essa nova proposta, o Nexus 6 se sai melhor do que o esperado: ele é, de fato, o aparelho que apresenta o melhor conjunto final entre todos os modelos Android já testados pelo TecMundo.

FAQ – Você pergunta, e o TecMundo responde

1 - Quando o Nexus 6 vai chegar ao Brasil?

Oficialmente não há previsão de quando o aparelho vai ser lançado por aqui. A Motorola não confirma nem mesmo se fará o lançamento ou não. Portanto, ao menos por enquanto, o único jeito de comprar o produto é no exterior.

2 - O Nexus 6 é à prova d’água?

Oficialmente o Nexus 6 não é a prova de água ou poeira, pois ele não conta com nenhuma certificação do tipo. Na internet, há vários vídeos que mostram que eventualmente ele pode até resistir quando lavado debaixo de uma torneira ou submerso em uma pia. Porém, a garantia não cobre eventuais danos causados por conta disso. Portanto, caso você queira molhar o aparelho, fica por sua conta e risco assumir eventuais problemas.

3 - Vale a pena trocar o Nexus 5 pelo Nexus 6?

Em termos de hardware, a resposta é sim. O Nexus 6 é consideravelmente superior ao seu antecessor e, por conta disso, a troca é justificada. O que você deve levar em consideração é o tamanho de tela, já que o display do Nexus 6 é bem maior do que o do Nexus 5. Se você não se incomoda com aparelhos com tela grande, certamente vale a pena o seu investimento.

4 - O tamanho do Nexus 6 pode atrapalhar no dia a dia?

Se você não está acostumado com aparelhos de tela grande, com pelo menos 5,5 polegadas, certamente você vai estranhar o manuseio de um celular com tela de 5,96 polegadas. Trata-se do maior aparelho da categoria e, em alguns momentos, é incômodo manuseá-lo com apenas uma mão. Porém, essa é uma característica do produto e a adaptação é muito mais uma questão de costume e de gosto pessoal do usuário.

5 - O Nexus 6 apresenta problemas em que a carcaça começa a se desprender do corpo?

Embora tenhamos vistos relatos de problemas como esse em diversos fóruns e a Motorola tenha admitido que em alguns aparelhos isso de fato vem acontecendo, em nosso modelo não percebemos esse tipo de anomalia. Estamos com o aparelho em uso há mais de 30 dias e, ao menos por enquanto, isso não aconteceu.

6 - Como importar o aparelho legalmente para o Brasil?

É difícil encontrar o produto em lojas online norte-americanas que entreguem no Brasil. A solução mais “simples” é ir ao exterior para comprar o aparelho ou pedir para alguém que vá para os Estados Unidos. Na lista de lojas confiáveis pesquisadas pelo TecMundo, não encontramos nenhuma opção digna de menção.

7 - Devido a tela ser AMOLED, ela apresenta coloração amarelada onde deveria ser branco?

No uso cotidiano não percebemos esse problema. Entretanto, quando você olha o aparelho meio de lado, é possível perceber algumas nuances de amarelo na cor branca. Porém, fique tranquilo: não é nada que vá comprometer a usabilidade do aparelho.

8 - A Google mudou o foco da linha Nexus com o lançamento do Nexus 6?

Sim, definitivamente. A proposta da linha Nexus até então era a de colocar no mercado aparelhos “bons e baratos”, ou seja, que apresentassem a melhor relação custo-benefício possível. A partir do Nexus 6, a proposta é bater de frente com os tops de linha do mercado, o que significa incluir no produto o melhor hardware possível, ainda que o preço final fique entre os mais caros.

Cupons de desconto TecMundo:

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Análise: smartphone Google Motorola Nexus 6 [vídeo]