Quando a linha Nexus chegou aos tablets, a Google tinha uma proposta bastante clara: oferecer aparelhos com uma ótima relação custo-benefício e que, ainda que não tivessem especificações técnicas para bater de frente com um top de linha, poderiam rodar com tranquilidade tudo aquilo que estava disponível na Play Store. E o melhor de tudo: custando muito pouco.

O tempo passou e, com o lançamento do Nexus 9, a Google decidiu mudar as regras do jogo. Sai de cena a versão mais “simples”, com tela de 7 polegadas, e entra em seu lugar o modelo com display de 8,9 polegadas, maior e mais próximo do seu rival, agora declarado, iPad Air. A fabricante do produto também é outra: a taiwanesa ASUS, responsável pelos modelos anteriores, perdeu o posto para a sua arquirrival conterrânea, a HTC.

Porém, mais do que a mudança no tamanho e na fabricante, a principal novidade da linha reside nas suas configurações. O Google HTC Nexus 9 entra na briga pelo título de melhor tablet do mercado trazendo o fortíssimo chipset NVIDIA Tegra K1 como destaque. A boa notícia é que o preço final não subiu tanto assim. A má é que, pelo fato de a HTC ser a fabricante, dificilmente teremos o lançamento oficial desse modelo no Brasil.

Chegou a hora de conferir todos os prós e contras do tablet Google HTC Nexus 9, lançado no mês de novembro nos Estados Unidos. A versão a que tivemos acesso para a realização desta análise é o modelo com 16 GB de espaço de armazenamento e conectividade WiFi. As nossas impressões sobre o aparelho são o que você confere agora.

Testes de benchmark

Para a realização desta análise, submetemos o Google HTC Nexus 9 a quatro aplicativos de benchmark. São eles: 3D Mark (Ice Storm Unlimited), AnTuTu Benchmark 5GFX Bench (T-Rex HD Off Screen e T-Rex HD On Screen) e Vellamo Mobile Benchmark (HTML 5 e Metal).

3D Mark (Ice Storm Unlimited)

O teste Ice Storm Unlimited, do 3D Mark, é utilizado para fazer comparações diretas entre processadores e GPUs. Fatores como resolução do display podem afetar o resultado final. Quanto maior a pontuação, melhor é o desempenho.

AnTuTu Benchmark 5

Um dos aplicativos de benchmark mais conceituados em sua categoria, o AnTuTu Benchmark 5 faz testes de interface, CPU, GPU e memória RAM. Os resultados são somados e geram uma pontuação final. Quanto maior a pontuação, melhor é o desempenho.

GFX Bench (Offscreen)

O GFX Bench é voltado para mensurar a qualidade gráfica. Isso inclui itens como estabilidade de desempenho, qualidade de renderização e consumo de energia. Os resultados são revelados em média de frames por segundo (FPS). Quanto maior a pontuação, melhor é o desempenho.

Vellamo Mobile Benchmark

O Vellamo Mobile Benchmark aplica dois testes ao aparelho: HTML5 e Metal. No primeiro deles é avaliado o desempenho do tablet no acesso direto à internet via browser. Já no teste Metal, o número final indica a performance do processador. Quanto maior a pontuação, melhor é o desempenho.

Design

O Nexus 9 é o primeiro tablet da linha a ser fabricado pela HTC. Por conta disso, seria natural esperarmos algumas mudanças no design em relação aos modelos anteriores. Na prática elas existem, mas são sutis a ponto de não descaracterizarem a identidade visual da linha, em voga desde o lançamento do smartphone Nexus 5.

As laterais são construídas em alumínio, o que dá ao aparelho um acabamento mais premium do que os modelos anteriores (e também mais adequado à nova proposta). Na parte frontal, os dois speakers estão posicionados nas partes superior e inferior do aparelho. Já a traseira é construída em plástico, com os mesmo materiais do Nexus 5 e do Nexus 7.

A textura levemente emborrachada, porém, pode apresentar em longo prazo o mesmo problema percebido no smartphone Nexus 5. Em especial no aparelho na cor branca, a tendência de acúmulo de sujeira com o passar do tempo é grande, assim como eventuais riscos e arranhões se tornam mais perceptíveis.

Por outro lado, o material emborrachado garante uma boa aderência no manuseio, seja com as duas mãos ou com apenas uma delas. Ainda na parte traseira, a câmera traseira está localizada no canto direito, e logo abaixo está o LED do flash. O aparelho apresenta um aspecto de resistência bastante condizente com a proposta em termos de preço e configurações.

Tela

Pela primeira vez um aparelho da linha Nexus chega ao mercado com tela de 8,9 polegadas. Isso faz também com que o aspecto de proporção seja diferente, já que agora o display IPS LCD é 4:3. Na prática, essa característica o aproxima mais do iPad, distanciando o modelo daquele formato “barra de chocolate” a que muitos estavam acostumados.

Em termos de resolução, os 2048x1536 pixels (QXGA) resultam em uma densidade de pixels de 281 ppi, número inferior ao do tablet Samsung Galaxy Tab S, por exemplo, mas razoável para que você possa jogar ou assistir a filmes e seriados sem se preocupar com possíveis efeitos de pixelização. Os níveis de brilho e contraste são igualmente satisfatórios.

O Nexus 9 possui ainda display adaptativo, o que garante boa qualidade de visualização da tela mesmo em ambientes muito iluminados ou sob a luz do sol. O ângulo de visão também não apresenta muita distorção quando o display é visto a partir de ângulos desfavoráveis. Em resumo: nesse quesito, o aparelho é muito mais funcional do que encantador, mas ainda assim cumpre bem a sua proposta.

Interface

O chamado Android “puro”, um dos diferenciais da linha Nexus, mais uma vez está presente. E, para a alegria dos consumidores, o Android 5.0 (Lollipop) é “tudo isso mesmo”, fazendo com que o sistema rode de maneira fluida, sem nenhum tipo de travamento na transição entre apps ou mesmo nas animações de movimentação.

O pacote de aplicativos da Google é o melhor possível. No total são 34 apps que contemplam basicamente todos os serviços que você precisará. O estilo Material Design da nova interface se adapta bem ao formato tablet. Houve uma notória evolução da empresa visando adequar melhor o Android aos formatos de tela maiores. Dos 16 GB de espaço de armazenamento, cerca de 12 GB estão livres para uso.

Desempenho

Se o tablet NVIDIA Shield já havia nos surpreendido por conta do excelente desempenho do processador Tegra K1, o Nexus 9 conseguiu ir além. Nos testes de benchmark que realizamos, a otimização do sistema fez com que em um software como o AnTuTu, por exemplo, o aparelho atingisse a marca dos 57 mil pontos – maior número já obtido por um aparelho testado na redação do TecMundo.

Na prática, o conjunto, que inclui ainda GPU Kepler DX1 e 2 GB de RAM, foi capaz de suportar com muita tranquilidade jogos pesados como Asphalt 8 ou Marvel Contest of Champions. Em nossos testes houve pequenas (quase imperceptíveis) quedas de frame ao longo da jogatina, mas nada que de forma alguma vá prejudicar o seu desempenho.

O que nos desapontou na execução de aplicativos que requerem maior potencial gráfico foi a temperatura do aparelho. Em nossos testes, o Nexus 9 esquentou um pouco mais do que deveria, chegando a 47,5 graus Celsius em algumas ocasiões. Apenas a título de comparação, é raro vermos um smartphone passar dos 45 graus Celsius. Novamente, vale a ressalva: essa característica não chega a ser prejudicial, mas pode ser encarada como um sinal de alerta.

Já em tarefas menos exigentes, mas igualmente estressantes em termos de processamento, como o uso de recursos multitarefa, o desempenho é perfeito, sem nenhum atraso no tempo de resposta ou gargalo por conta do uso exacerbado de RAM. De fato, é possível afirmar que o Tegra K1 hoje é o chipset mais potente entre os já lançados no mercado, ficando até mesmo à frente do Snapdragon 805, da Qualcomm.

Bateria

Com uma bateria de 6.700 mAh de capacidade, o Nexus 9 não decepciona nesse quesito. Em nossos testes, foram necessárias mais de 8 horas de execução de vídeo de forma contínua para que a carga fosse drenada por completo. Já em uso moderado, carregar o aparelho a cada dois ou até mesmo três dias, dependendo do seu perfil de usuário, será mais do que suficiente.

Os números colocam o tablet da Google dentro de um patamar médio se comparado aos seus concorrentes. Ele não é acima da média nesse quesito, mas oferece um resultado consistente e que não deve desagradar o consumidor. Não há um modo de recarga rápida de energia, e, portanto, você terá que deixá-lo na tomada por um bom tempo – cerca de 3 horas – para que a carga seja completada.

Câmera

Sempre é importante salientar: uma câmera em um tablet não é um item tão essencial quanto em um smartphone. Em outras palavras, dificilmente você verá em um tablet uma câmera tão boa quanto a de um celular. Não é essa a proposta do aparelho, e não é essa a ideia dos fabricantes. Entretanto, isso não significa que ela deva ser desprezada por completo.

No Nexus 9, felizmente, a Google e a HTC deram a atenção merecida ao dispositivo. A câmera traseira tem resolução de 8 megapixels e permite a captura de boas fotos casuais. Não é nenhum primor, mas elas não fazem feio em momento algum. Usuários mais detalhistas vão perceber o índice de granulação nas imagens, mesmo com condições favoráveis de iluminação.

O flash LED auxiliar também dá uma boa ajuda nas fotos capturadas em locais com baixa luminosidade. Entre as câmeras disponíveis na categoria tablet, a do HTC Nexus 9 está entre as melhores. Porém, tenha em mente que o foco aqui é o uso casual, e, por conta disso, qualquer câmera de celular top de linha deve ser capaz de produzir resultados melhores.

Áudio

Uma das características que sempre se destaca nos smartphones da HTC é a qualidade de áudio. Felizmente, no Nexus 9 a história se repete. O aparelho não vem acompanhado por fones de ouvido, mas há dois alto-falantes frontais, localizados no centro do aparelho, nas partes inferior e superior.

O posicionamento dos speakers se mostra bastante adequado, pois tanto na pegada horizontal quanto vertical é praticamente impossível cobrir as saídas de áudio com as mãos. Isso evita sons abafados e dá um bom espaço para a propagação sonora. Mesmo com o volume em níveis mais altos, o índice de distorção é baixo.

Apesar de a qualidade final não ser a melhor que já vimos em um dispositivo, certamente a propagação de áudio do Nexus 9 está entre as melhores com relação à categoria tablets, uma boa notícia para quem está pensando em adquirir o aparelho especialmente para jogos.

Relação custo-benefício: comprando no exterior

Já faz mais de um ano que a HTC não comercializa oficialmente seus produtos no Brasil, e não há planos de que a empresa volte para cá tão cedo. Historicamente, no caso da linha Nexus, em geral são as fabricantes que ficam responsáveis pela distribuição do produto no Brasil (ao menos foi assim com a LG e a ASUS). Por conta disso, temos poucas esperanças de que o Nexus 9 seja lançado oficialmente por aqui.

A melhor solução por enquanto, para quem deseja adquirir o produto, é comprá-lo diretamente nos Estados Unidos. O modelo mais simples, com 16 GB de armazenamento e conectividade WiFi, custa US$ 349 (o equivalente a R$ 923, sem impostos). Já o modelo com 32 GB de armazenamento e conectividade WiFi e 4G sai por US$ 429 (o equivalente a R$ 1.125, sem impostos).

Se compararmos o valor em dólar com o preço final dos seus principais concorrentes – Apple iPad Air, Samsung Galaxy Tab S e NVIDIA Shield –, vemos que o produto da Google está dentro da média de preço, pois os modelos mais simples de cada um dos fabricantes também custam entre US$ 349 e US$ 399.

Se por um lado ir aos Estados Unidos e comprar o tablet pode ser uma boa ideia, por outro importá-lo pode acabar tornando as coisas um pouco menos interessantes. Numa simulação no site da Amazon, por exemplo, que entrega o Nexus 9 no Brasil, os US$ 349 se transformam em US$ 701,16, incluindo todos os impostos e taxas de entrega. Ou seja, o valor em reais passa de R$ 923 para R$ 1.837.

Ainda assim, por incrível que pareça, esse valor é compatível com o preço oficial de lançamentos no Brasil, como o Galaxy Tab S e o Apple iPad Air. Dessa forma, podemos afirmar que investir o seu dinheiro em um Nexus 9 é um excelente negócio, caso você tenha a oportunidade de comprá-lo no exterior. Já via importação, a relação custo-benefício diminui, mas a boa qualidade do produto ainda compensa o dinheiro que será gasto.

Vale a pena?

A mudança de posicionamento da Google com relação ao seu tablet pode ser encarada de duas formas: se por um lado o aparelho mais recente da empresa agora briga em especificações com os modelos mais potentes do mercado, por outro ele também chega às lojas por um preço um pouco mais salgado. De qualquer forma, julgamos positiva essa nova proposta.

Tecnicamente, o Nexus 9 é um aparelho quase impecável. Tela de boa qualidade, bateria eficiente, ótima capacidade de processamento, design adequado e confortável. Há pequenos pontos que podem incomodar, como a tela com densidade de pixels mais baixa do que a dos concorrentes ou ainda o fato de o aparelho esquentar um pouco mais do que o normal, mas nada que desabone o tablet como uma boa opção de compra.

Em um território onde o iPad ainda reina absoluto (é o mais vendido e ainda é o que oferece um melhor ecossistema em termos de exclusivos para tablets), o Nexus 9 é o aparelho que mais chega perto da possibilidade de desbancar a empresa da Maçã, o que não é pouca coisa. Infelizmente para os consumidores os brasileiros, é pouco provável que o modelo seja lançado oficialmente por aqui.

Contudo, mesmo com os altos impostos de importação, o HTC Nexus 9 se mostra uma opção interessante para o consumidor. Não tenha dúvidas de que estamos diante daquele que pode ser considerado o melhor tablet Android do mercado.

FAQ – Você pergunta. O TecMundo responde

1 - Pelo fato de o Nexus 9 utilizar o processador Tegra K1, da NVIDIA, ele conta com suporte às tecnologias NVIDIA Grid, NVIDIA GameStream e NVIDIA ShadowPlay?

Não. Apesar da configuração similar, essas tecnologias são suportadas apenas pelos modelos NVIDIA Shield Tablet e NVIDIA Shield Console.

2 – O Nexus 9 é à prova d’água?

Não, o Nexus 9 não possui nenhum tipo de certificação que o torne resistente ou à prova de água e poeira.

3 – O Nexus 9 tem expansão de memória?

Não é possível expandir a memória do Nexus 9 com cartão micro SD. Há duas versões no mercado: uma com 16 GB de armazenamento interno e outra com 32 GB.

4 – A parte de trás dele afunda e volta como visto em outros vídeos?

Esse é um grande exemplo em que o que vimos nos vídeos não corresponde exatamente à realidade. A tampa traseira tem uma leve folga, coisa mínima mesmo, que quando você toca de leve passa a sensação de estar afundando. Acredite, é um movimento tão pequeno e tão irrelevante que não há motivo algum para se preocupar com isso.

5 – O HTC Nexus 9 será lançado no Brasil?

Não existe nenhuma informação oficial sobre o assunto, ou seja, a Google ainda não se manifestou sobre o lançamento do tablet no Brasil. Historicamente, sempre é o fabricante que fica responsável pela distribuição do produto no país (foi assim com a ASUS e com a LG). Como a HTC oficialmente não comercializa mais os seus aparelhos no Brasil, nosso palpite é que ele não será lançado por aqui.

6 – O Nexus 9 esquenta muito?

Percebemos um aquecimento um pouco acima da média no Nexus 9, fato que não ocorreu em nossa análise do NVIDIA Shield Tablet, aparelho que apresenta praticamente as mesmas configurações. Porém, não há motivo para ficar alarmado, mas em alguns momentos o calor excessivo, em especial nas bordas de alumínio, pode se tornar desconfortável.

7 – O Nexus 9 é compatível com NFC ou possui sensor infravermelho?

Sim, o Nexus 9 é compatível com NFC, mas não possui sensor infravermelho.

Cupons de desconto TecMundo: