O Moto Z Play foi lançado pela Motorola em 2016 como uma opção um pouco mais acessível para quem queria ter um dos novos aparelhos modulares da empresa, mas não estava disposto a gastar mais para comprar o top de linha Moto Z. O intermediário premium ganhou popularidade rapidamente por oferecer ótimos recursos, acesso aos Snaps e, principalmente, uma bateria com duração de quase dois dias.

Agora, o Moto Z2 Play já chegou oficialmente, e eu tive a chance de conferi-lo de perto para saber se as mudanças de uma geração para a seguinte tiveram um resultado positivo ou se a Motorola mexeu demais no time que estava ganhando e acabou estragando o que ele tinha de melhor. Se você quer saber mais sobre os detalhes do smartphone para decidir se ele está valendo a pena, confira a nossa análise completa a seguir.

Visual premium e customizável

Tanto a largura quanto a altura do Moto Z2 Play mudaram bem pouco em comparação com o antecessor, mas ele perdeu 1 milímetro de espessura e 20 gramas. Ter ficado mais fino e leve o deixou mais parecido com o top de linha do ano passado, o Moto Z, especialmente na cor que a gente recebeu: dourada.

Uma diferença bem visível é no material da traseira, que trocou o vidro pelo metal fosco. Isso deixa o aparelho um pouco menos escorregadio sem estragar o estilo premium e evita as incômodas marcas de dedos que insistiam em aparecem no primeiro Moto Z Play. Além disso, vale ressaltar que, mesmo mais fino, o Z2 Play não perdeu a entrada de fone de ouvido.

A câmera protuberante na traseira é algo de que muita gente não gosta, mas que pode ser disfarçado usando um dos vários Snaps de estilo. Além do de madeira que recebemos para o nosso teste, há outras opções com materiais e visuais diferentes dos que já estão disponíveis, e a Motorola anunciou que mais algumas capinhas vão ser lançadas na segunda metade do ano – sendo que as novas não vão ser só de estilo e deixarão o celular compatível com recarga wireless de bateria.

Resistente, pero no mucho

O corpo de metal do Z2 Play é resistente, mas a tela e o conector dos Snaps riscam facilmente

O corpo feito em peça única de alumínio deixa o Z2 Play bem rígido e resistente, e a tela tem proteção Gorilla Glass, mas isso não impediu que alguns risquinhos surgissem no vidro depois de só alguns dias de uso normal, sem quedas. Ou seja, é melhor comprar uma película para evitar que seu aparelho novinho fique marcado em vários pontos em pouco tempo.

Na traseira, a parte que pareceu mais sensível foi o conector dos Snaps, que ficou riscado por causa dos acessórios. No entanto, como essa parte fica coberta a maior parte do tempo, isso não deve ser um grande problema. O aparelho não é à prova-d’água, mas tem resistência a respingos, então não é preciso entrar em pânico se você virar um copo com líquido em cima dele sem querer. Só não o deixe cair dentro da piscina, do mar ou da privada.

Melhor tela da categoria

No quesito tela, o Moto Z2 Play manteve o mesmo tamanho de 5,5 polegadas e resolução Full HD que o modelo anterior já tinha, o que significa uma boa densidade com 401 pixels por polegada. Na prática, isso se traduz em imagens bastante nítidas e ricas em detalhes, então você vai poder curtir vídeos de qualidade e games com gráficos caprichados.

A tecnologia do painel também continua sendo o mesmo Super AMOLED usado no Moto Z Play, então você já sabe que o contraste é excelente, as cores são bem vivas e o brilho é ótimo para visualização mesmo sob sol forte. Considerando que estamos falando de um aparelho que ainda se encaixa na categoria de intermediários, é possível falar com segurança que ele traz a melhor tela possível na categoria.

Desempenho ótimo

Muitos itens principais do hardware interno do Moto Z Play original foram melhorados de um ano para cá, de forma que o Z2 Play traz aprimoramentos em quase todos os aspectos. O processador agora é o Snapdragon 626, um octa-core que tem núcleos com clock ligeiramente superior aos do seu antecessor.

O hardware interno do Moto Z2 Play teve melhorias em quase todos os aspectos em comparação ao antecessor

A memória RAM também cresceu, chegando a 4 GB, e o armazenamento dobrou, atingindo um total de 64 GB. Dessa forma, o aparelho traz espaço de sobra para guardar muitos vídeos, fotos, aplicativos, músicas e tudo mais que você quiser. E se mesmo isso não for o suficiente para você, é possível usar um cartão micro SD para expandir a memória em até 2 TB – e isso sem ter que abrir mão de usar dois chips de operadora ao mesmo tempo.

No dia a dia, esses números significam que o Z2 Play tem um desempenho ótimo. Mesmo quando vários apps estavam abertos, não rolaram atrasos ou engasgos durante o uso nem na hora de trocar de um aplicativo para o outro. Jogos pesados também rodam sem problema nenhum, mesmo com os gráficos no máximo ou muitos quadros por segundo. Além disso, não senti o aparelho esquentando de forma incômoda mesmo depois de um bom tempo jogando.

Benchmarks

Para ver como o Moto Z2 Play se sai em comparação com alguns concorrentes, o aparelho foi submetido a três aplicativos de benchmark. Os testes utilizados foram o 3D Mark (Ice Storm Unlimited), o AnTuTu Benchmark 6 e o Vellamo Mobile Benchmark (HTML5 e Metal).

O 3D Mark oferece uma série de testes para benchmark de smartphones. Entre eles, o Ice Storm Unlimited permite comparar diretamente entre processadores e GPUs. A resolução do display é um fator que pode afetar o resultado final. Quanto maior a pontuação, melhor o desempenho.

O app AnTuTu 6 permite testar interface, CPU, GPU e memória RAM dos dispositivos. Os resultados são fornecidos individualmente e somados para gerar uma pontuação total. E aqui também vale a máxima para os pontos: quanto mais, melhor.

O Vellamo Mobile Benchmark aplica dois testes aos smartphones, avaliando o desempenho do celular durante o acesso de conteúdo na internet por meio de navegadores no primeiro e a performance do processador no segundo. Novamente, números maiores indicam resultados melhores.

Android em boa forma

O Moto Z2 Play vem de fábrica com a versão mais atualizada do Android, a 7.1 Nougat. A interface é praticamente pura e muito parecida com o que a gente vê no Google Pixel, por exemplo. Uma das mudanças em comparação com as versões anteriores do sistema é que agora não existe mais um botão para abrir a gaveta de apps; basta deslizar o dedo para cima a partir da barra de inferior na home.

Uma diferença na interface que os aparelhos da Motorola já têm desde o primeiro Moto X são os recursos práticos que a empresa adiciona ao Android, chamados de Moto Tela, Moto Voz e Moto Ação. No Z2 Play, todas essas funções foram melhoradas, e algumas delas ganharam novidades bem legais.

O recursos práticos da Motorola para o Android foram melhorados

Além de exibir o relógio e suas notificações, agora o Moto Tela deixa você responder mensagens rapidamente por texto ou voz sem ter que ativar o display do celular. O Moto Voz agora foi aperfeiçoado com o recurso “me mostra”, que reconhece a voz registrada mesmo com a tela desligada e exibe o que você quiser na tela, desde previsão do tempo até apps específicos.

Leitor de digitais versátil

A melhor novidade da Motorola, no entanto, é a navegação com um toque que foi adicionada ao Moto Ações. Essa função permite eliminar os botões do Android e usar o sensor de digitais para tudo, não apenas para desbloquear o celular.

Deslize o dedo para a esquerda para voltar ou para a direita para abrir o gerenciador de aplicativos. Toque rapidamente para voltar para home ou segure o toque por 2 segundos para bloquear a tela. Segure por um pouco mais de tempo para abrir a pesquisa direta do Google sobre o conteúdo exibido na tela. Tudo isso (incluindo os comandos de voz e os recursos da Moto Tela) pode ser aprendido e configurado facilmente no app Moto, que vem instalado de fábrica.

E já que estamos falando do leitor de digitais, vale mencionar que ele é o mesmo que veio no Moto G5 e G5 Plus, o que significa que está maior e com acesso um pouco mais fácil do que era no Moto Z Play do ano passado. Você pode cadastrar até 5 dedos e esse processo é bem rápido – recomendo registrar pelo menos o dedão da mão que você usa para segurar o celular normalmente e o indicador da outra mão, pois assim você tem mais opções. A leitura das impressões e o desbloqueio do aparelho acontecem em um piscar de olhos.

Menos megapixels, fotos melhores

Na câmera traseira, o Moto Z2 Play teve a quantidade de megapixels do sensor reduzida em comparação com a geração anterior, indo de 16 MP para 12 MP. Por outro lado, a abertura aumentou, o que permite que mais luz seja capturada. O foco a laser também melhorou, facilitando a detecção de objetos em até 5 metros. Além disso, a câmera tem a tecnologia Dual Autofocus Pixel, que usa mais pixels para garantir foco mais rápido e preciso.

O resultado da combinação de todas essas tecnologias são fotos ótimas, bem focadas, com cores vivas e bom contraste. Usando o modo profissional do software, você pode mexer em configurações como balanço de branco, velocidade de obturador, ISO, exposição e foco para conseguir fazer fotos exatamente do jeito que precisar em cada momento.

Na câmera frontal, a Motorola resolveu manter os 5 MP e apostou em uma lente com ângulo de visão de 85º para facilitar a vida dos usuários na hora das fotos em grupo. Além disso, ela vem com flash LED duplo com sistema de correção de temperatura de cor, que foi feito para tirar selfies mais naturais mesmo em ambientes escuros. Ela vem ainda com um efeito embelezador (desativado por padrão), que suaviza linhas e manchas na pele, mas que tem resultados bem artificiais, então talvez seja melhor nem usar mesmo.

Os vídeos apresentam ótima qualidade, principalmente em ambientes com boa iluminação e usando a resolução 4K. Em geral, podemos dizer que as câmeras do Moto Z2 Play podem até não ser as melhores que já vi em um smartphone, mas mesmo assim fazem um ótimo trabalho e não vão te deixar na mão. Só não espere a mesma qualidade de um top de linha.

Bateria: piorou, mas ainda é boa

O tamanho das reservas de energia foi outra coisa que diminuiu em comparação com o Moto Z Play original. Enquanto o aparelho do ano passado tinha 3.510 mAh, o Z2 Play vem com 3.000 mAh. Isso deixou muita gente preocupada, achando que o aparelho perderia a vida útil impressionante, que foi uma das características que mais agradaram na geração anterior. Se era esse o seu caso, pode ficar mais ou menos aliviado.

A bateria diminuiu em comparação com o Moto Z Play original, mas continua durando bastante

No nosso teste de reprodução contínua de vídeo no YouTube, com o brilho no máximo, o Moto Z2 Play aguentou mais de 14 horas antes de ficar sem carga, o que é um número muito bom pra uma situação de stress. Com o uso comum, o celular aguenta mais ou menos um dia e meio sem precisar ser recarregado. E se você moderar bastante a utilização, é possível esticar a bateria para dois dias.

Já se você for um usuário mais intensivo, que passa muitas horas por dia jogando no transporte público, tira várias fotos, ouve música, vê vídeos, acessa redes sociais e tudo mais, então a capacidade do Moto Z2 Play provavelmente vai dar certinho para aguentar um dia inteiro sem precisar recarregar. No entanto, não vai sobrar muita energia de noite.

Versatilidade com os Snaps

Se mesmo com o que explicamos acima você não estiver feliz com a bateria, então pode comprar o Snap Power Pack para adicionar mais 2.220 mAh ao aparelho, o que aumenta consideravelmente a vida útil fora da tomada. É possível configurar o acessório para simplesmente recarregar a bateria do celular até o máximo ou então para levá-la a até 80% e mantê-la nesse nível pelo máximo de tempo possível, o que diminui o stress sobre o celular.

O formato do Snap de bateria é arredondado para não deixar a pegada do Z2 Play incômoda quando ele estiver em uso, mas é fato que o aparelho fica bem mais espesso com o Power Pack encaixado, então você provavelmente vai preferir deixar a Style Shell encaixada ou ficar sem nada enquanto não precisar de energia extra. Mesmo assim, não dá para negar que a solução é bem mais confortável do que andar com um power bank pendurado.

Há ainda a opção de comprar outros Snaps para adicionar mais funções ao celular, transformando-o em um projetor, melhorando a câmera traseira ou colocando uma caixa de som mais forte. Uma pena que os módulos ainda sejam bem caros aqui no Brasil. A Motorola anunciou mais alguns acessórios legais, como um controle para jogos e um power pack com carregamento rápido, mas eles só devem ser lançados no terceiro trimestre de 2017.

Som agradável

Sobre o áudio do Moto Z2 Play, ficamos contentes tanto com a potência quanto com a posição do alto-falante, que fica logo acima do logo na frente do celular. Assim, ele consegue tocar músicas com um volume relativamente alto sem grandes distorções, e você não vai tampar a saída e abafar o som quando estiver jogando ou vendo um vídeo na horizontal.

O fone de ouvido intrauricular é ótimo e vem até com borrachinhas extras

Além disso, o fone de ouvido intra-auricular incluído pela Motorola na caixa é de excelente qualidade. Ele é bonito, confortável, potente e não fica caindo da orelha mesmo enquanto você corre ou pratica algum exercício. A Motorola até incluiu algumas borrachinhas extras para o caso delas racharem, então você não vai ter que se preocupar com isso.

Vale a pena?

O Moto Z2 Play é um celular que justifica bem a sua classificação como um intermediário premium. Isso acontece porque, por mais que ele não tenha as mesmas especificações que um top de linha de verdade, a sensação é de que você está com um flagship, e não com um intermediário.

Esse sentimento é reforçado de várias formas, indo desde o design bonito em metal e o sensor de digitais cheio de funções até o desempenho rápido e liso na versão mais atual do Android. Considerando que o preço de lançamento do Moto Z Play do ano passado foi de R$ 2,2 mil, os R$ 2 mil cobrados pela Motorola pelo Z2 Play foram uma surpresa positiva, por mais que as versões com alguns dos Snaps custem um pouco mais que isso.

Mesmo com uma bateria um pouco menor que a geração anterior, a vida útil do aparelho continua excelente, e as melhorias de hardware e software proporcionam uma experiência muito boa – e isso pode ser customizado de maneiras interessantes se você estiver disposto a gastar mais para comprar os Snaps. Com tudo isso em mente, o Moto Z2 Play é uma ótima opção para quem deseja um aparelho novo, cheio de bons recursos e com uma pegada premium, mas não quer pagar o preço de um top de linha atual.

Perguntas dos leitores

R: Um dia inteiro de uso intenso, um dia e meio de uso mediano e até dois dias se você usar relativamente pouco.

R: Ele começa a passar energia para o celular assim que é conectado e pode ser configurado para deixar o Z2 Play em 100% ou mantê-lo em 80% (o que faz a carga do Snap durar mais). Para recarregar, é só deixar o acessório encaixado quando ligar o smartphone na tomada; aí ele recarrega o aparelho primeiro e o Power Pack em seguida. As percentagens de carga aparecem separadas na bandeja do Android.

R: Dá para encontrá-las tanto no site da Motorola quanto nos quiosques e nas lojas deles em shoppings.

 R: É o mesmo Snap da geração anterior.

R: Ele só aquece um pouco se você o usar enquanto recarrega, mas mesmo nesse caso o aquecimento não chega a incomodar. Além disso, usar o aparelho enquanto está ligado na tomada tende a acelerar a degeneração da bateria, então não é recomendado.

R: Sim.

R: Os novos Snaps estão previstos para o terceiro trimestre do ano.

R: Ele resiste a respingos de água, mas não a mergulhos.

R: Durante os nossos testes, o vidro da câmera não apresentou risco nenhum, mas a tela ficou riscada bem rápido. No entanto, é fato que passamos a maior parte do tempo usando a Style Shell, o que nivela a traseira do aparelho e pode ter ajudado a proteger a câmera.

***

Opções de compra

Melhores ofertas do Motorola Moto Z2 Play e suas edições:

Melhores ofertas do Motorola Moto Z Play e suas edições:

Cupons de desconto TecMundo: