Volkswagen critica incentivo a biocombustíveis: 'loucura'

1 min de leitura
Imagem de: Volkswagen critica incentivo a biocombustíveis: 'loucura'
Imagem: Unsplash
Avatar do autor

A Associação Alemã da Indústria Automotiva (VDA, na sigla germânica), atendendo a pedidos de grande parte da setor, decidiu apresentar um plano de incentivo àqueles que adotarem tecnologias movidas a hidrogênio e biocombustíveis, mas quem não ficou nada feliz com essa história foi a Volkswagen.

A empresa decidiu lutar contra as medidas, já que carros elétricos não foram contemplados pela proposta, e caracteriza o uso de tais soluções como "loucura" e "mal uso de energia limpa."

As reclamações foram relatadas pela ONG Transport & Environment, que atua nos debates legislativos ambientais e concorda com o posicionamento. "De acordo com os últimos dados disponíveis da Comissão Europeia, o biodiesel de palma é três vezes pior para o clima do que o diesel normal quando as emissões indiretas são contabilizadas. O diesel de soja é duas vezes pior", afirma o veículo, que considera absurda, também, a exigência daqueles que compõem o que considera um lobby de receberem porcentagens ainda maiores dos que as já sugeridas.

Volkswagen critica proposta que exclui incentivos a carros elétricos.Volkswagen critica proposta que exclui incentivos a carros elétricos.Fonte:  Unsplash 

"A VDA está vivendo em um mundo fantasioso. Suas propostas de grandes quantidades de hidrogênio e biocombustíveis para uso em carros e caminhões são absurdas de fato. Isso não vai acontecer e se destina apenas a confundir os políticos. Esquemas de geração de combustível vindo direto do céu [se referindo, ironicamente, ao hidrogênio] não vão acabar com a revolução do carro elétrico", diz Jekaterina Boening, gerente sênior da instituição.

"O chamado potencial dessas alternativas para combustíveis líquidos é [...] altamente superestimado, complexo, de alto custo, não muito eficiente em termos de clima e apresenta baixa eficiência", complementa a Volkswagen.

Volkswagen critica incentivo a biocombustíveis: 'loucura'