Os testes para implantação de carros autônomos da Uber foram suspensos após o acidente fatal que resultou na morte de uma mulher em Tempe, no Arizona, em abril. No entanto, o diretor executivo da empresa, Dara Khosrowshahi, recentemente deu indícios de que eles podem ser retomados a partir de parcerias com concorrentes. 

Khosrowshahi disse, em entrevista concedida ontem durante a Code Conference, realizada em Rancho Palos Verdes, California, que a Uber está conversando com a Waymo sobre colocar os carros da empresa em sua rede. Após chamar a concorrente de “uma fornecedora de tecnologia incrível”, o executivo disse que os carros dela seriam bem-vindos na Uber. Khosrowshahi ainda comentou que os carros autônomos terão corridas compartilhadas, semelhantes às do UberPOOL, e que tanto humanos quanto máquinas poderão operá-los.

Waymo

A Waymo não comentou sobre as declarações e os assessores da Uber também não se pronunciaram. Mesmo sem especulações oficiais além da entrevista de Khosrowshahi, já é possível afirmar que a parceria das duas empresas representa uma mudança significativa na relação delas. A Waymo é a unidade de carros autônomos pertencente à Alphabet, um conglomerado que detém os direitos de várias empresas que foram pertencentes ou que são vinculadas ao Google. 

No início do ano, a Uber foi processada pela Waymo, que alegava que a companhia de Khosrowshahi teria roubado segredos de mercado relacionados aos carros autônomos e pedia uma compensação de U$ 1.8 bi (aproximadamente R$ 6,7 bi). 

Após quatro dias de depoimentos, as empresas fecharam um acordo concedendo à Waymo 0,34% do patrimônio da Uber, resultando em, aproximadamente, U$ 245 mi (aproximadamente R$ 912 mi). A Uber também se comprometeu a não incorporar as informações confidenciais da Waymo no hardware e no software utilizados em seus carros autônomos.