Seguindo os passos que a Ford deu na China, a Renault-Nissan também fechou uma parceria com uma fabricante chinesa para produzir seus carros por lá. A companhia escolhida foi a Dongfeng Motor Corporation (DMG), que vai ser a outra parte da nova marca chamada eGT New Energy Automotive Co Ltd.

A chinesa fica com 50% das ações, enquanto a Renault e a Nissan dividem o restante entre si. A ideia é que a junção permita que o grupo franco-nipônico consiga produzir seus veículos em território chinês sem precisar pagar a tributação imposta pelo país para carros importados. Com isso, os estrangeiros ganham com a “evasão fiscal” estratégica e os chineses ganham com o know-how.

O primeiro veículo da nova marca, que será um SUV elétrico, já deve ser lançado em 2019 e vem para colocar ainda mais ênfase na estratégia de montadoras ao longo do mundo de atacar o mercado chinês com todas as forças, visto que o país busca desesperadamente uma solução para seus problemas de poluição nos grandes centros urbanos.

A DMG, especificamente, é uma das maiores montadoras da China e está batendo de frente com nomes como Geely (dona da Volvo e da Lotus) e a Great Wall Motors.