Only Murders in the Building: nova série do Hulu ganha trailer

Imagem de: Only Murders in the Building: nova série do Hulu ganha trailer
Imagem: IMDb/Reprodução

A série Only Murders in the Building, que acompanhará as aventuras de três vizinhos investigando um assassinato ocorrido no prédio onde residem, ganhou um trailer completo nesta terça-feira (27). Nova atração do serviço de streaming Hulu, a produção é estrelada pelos atores Steve Martin e Martin Short, além da cantora e atriz Selena Gomez.

Com estreia prevista para o dia 31 de agosto, a comédia segue três estranhos que compartilham a mesma obsessão por histórias verdadeiras de crimes e assassinatos. Quando uma morte horrível acontece no edifício em que vivem, os detetives amadores resolvem se unir para solucionar o caso.

Durante as investigações, eles gravam um podcast para documentar a história e acabam descobrindo uma série de segredos dos vizinhos, envolvidos em diversas mentiras. Não demora muito para o trio perceber que um assassino pode estar vivendo ali e por causa disso precisam decifrar as pistas o mais rápido possível.

Escrita por Steve Martin em parceria com John Hoffman, a nova produção original do Hulu traz ainda no elenco os atores Aaron Dominguez, Amy Ryan e Nathan Lane. Até o momento, ela tem uma temporada confirmada, com 10 episódios.

Star+ exibirá produção no Brasil

Atração do Hulu nos Estados Unidos, Only Murders in the Building poderá ser vista no Brasil por meio do Star+. A nova plataforma de streaming da Disney estreia no mercado nacional no final de agosto, trazendo filmes, séries e outras produções que não foram incluídas no catálogo do Disney+, além de programação esportiva.

Mas antes de exibir a série e as demais atrações para os assinantes brasileiros, o serviço precisará resolver um imbróglio na justiça. Em disputa com a Starz Entertainment, dona da Starzplay, a empresa americana foi impedida de usar a palavra “Star” em sua plataforma.

Conforme decisão judicial, a Starz tem o direito sobre o uso da marca no Brasil, mas a Disney deve recorrer, resultando em novos desdobramentos do caso.