Elon Musk e CEO do Twitter discutem por causa de bots e ações caem

1 min de leitura
Imagem de: Elon Musk e CEO do Twitter discutem por causa de bots e ações caem
Imagem: Edar/Pixabay
Avatar do autor

Em mais um episódio da “novela” na qual se transformou a venda do Twitter para Elon Musk por US$ 44 bilhões, o CEO da rede social veio a público nesta segunda-feira (16) para contestar as preocupações do bilionário sobre a existência de spam e bots na plataforma. De acordo com Parag Agrawal, a sugestão de fazer uma auditoria externa com 100 contas aleatórias não iria dar certo.

Para o executivo, uma estimativa desse tipo não poderia ser realizada por uma empresa externa, pois demandaria a utilização de informações públicas e privadas “que não podemos compartilhar”. Destacando que nem mesmo a informação sobre o número de Usuários Ativos Diários pode ser compartilhada, Agrawal confirmou que “nossas estimativas internas reais para os últimos quatro trimestres ficaram bem abaixo de 5%”.

A resposta de Elon Musk ao CEO do Twitter foi um significativo emoji. Veja abaixo.

O que disse Elon Musk?

A defesa feita por Parag Agrawal sobre a metodologia do Twitter ocorre depois que Musk, de uma hora para outra, tweetou na sexta-feira (13) que o acordo de compra estaria temporariamente suspenso, dependendo de uma comprovação da forma de cálculo empregada pelo microblog para sustentar que o número de contas de spam ou bots da plataforma representa menos do que 5% dos usuários.

A publicação de Musk acabou se tornando um tanto enigmática, pois, como Agrawal garante que “nós compartilhamos uma visão geral do processo de estimativa com Elon há uma semana”, ficam algumas perguntas: afinal de contas, quem mais precisa ser convencido de que o Twitter está falando a verdade? E por quê?

Seja como for, quando se trata de Musk, o estrago já estava feito: as ações do Twitter despencaram, chegando a eliminar, na manhã desta segunda-feira (16), todos os ganhos acumulados desde que o dono da Tesla anunciou a sua participação na rede social. O valor chegou a cair 4,9% logo na abertura do pregão, indo a US$ 38,71, valor abaixo dos US$ 39,31 em 1º de abril, e muito inferior aos US$ 54,20 oferecidos por ação no tumultuado acordo. As ações da empresa fecharam o dia em US$ 37,39.

News de tecnologia e negócios Deixe seu melhor e-mail e welcome to the jungle.