PUBG: processo contra Apple e Google acusa Free Fire de clone

1 min de leitura
Imagem de: PUBG: processo contra Apple e Google acusa Free Fire de clone
Imagem: PUBG
Avatar do autor

Na última terça-feira (11), a desenvolvedora sul-coreana Krafton Inc, responsável pelo popular jogo PUBG: Battlegrounds, revelou que está processando a Apple e Google por permitir a venda de um suposto clone do game, também conhecido como Free Fire — no dia seguinte (12), a companhia revelou que o título se tornou oficialmente free-to-play.

De acordo com informações reveladas pela Reuters, a Krafton Inc afirma que Free Fire, antes conhecido como Free Fire: Battlegrounds, é um clone de PUBG. A companhia diz que a Garena Online, responsável por Free Fire, copiou diversos aspectos, como a estrutura, equipamentos, itens e mapas — inclusive, a Garena também está sendo processada.

Cópia da cópia da cópia

A organização responsável pela Garena, chamada Sea Ltd., começou a distribuir o Free Fire em 2017 por meio da App Store e Google Play Store e, segundo a Krafton, em 2021, o jogo Free Fire Max também infringiu os direitos autorais. As informações sugerem que, apenas durante os três primeiros meses de 2021, a empresa responsável pelo "clone" ganhou mais de US$ 100 milhões.

Além disso, em dezembro, a responsável por PUBG afirma que requisitou ao Google e Apple para não hospedarem mais o jogo Free Fire em suas lojas de aplicativos. Assim, a Krafton pede pela suspensão das vendas e uma indenização que compense toda a receita que PUBG perdeu por conta da "cópia".

Vale destacar que, há pouco, a Apple retirou de sua loja uma enxurrada de aplicativos que copiam o popular jogo Wordle. Inclusive, um dos games piratas até cobrava uma assinatura anual de US$ 30 (cerca de R$ 165 na cotação atual).

News de tecnologia e negócios Deixe seu melhor e-mail e welcome to the jungle.

Fontes