Nova greve dos caminhoneiros pode impactar a Black Friday?

2 min de leitura
Imagem de: Nova greve dos caminhoneiros pode impactar a Black Friday?
Imagem: Nelson Antoine/Shutterstock
Avatar do autor

Várias entidades representativas dos caminhoneiros anunciaram no último fim de semana terem entrado em estado de greve. A categoria reivindica ações do governo federal para aliviar a dificuldade que os trabalhadores têm vivido e ameaça paralisar o país a partir de 1° de novembro.

Os motoristas de caminhão querem que a classe seja integrada à aposentadoria especial e que haja alteração na política de preços da Petrobras, já que o aumento no valor dos combustíveis tem dificultado a atuação dos profissionais.

Apesar de estarem subindo o tom, de acordo com o Estadão, o governo federal enxerga que o movimento não deve prosperar, uma vez que várias vezes os caminhoneiros tentaram realizar uma grande greve nacional e não tiveram sucesso.

Greve

O documento com as reivindicações dos trabalhadores que será entregue ao governo foi assinado pela Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores (Abrava), pelo Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC) e pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística (CNTTL).

E se a greve acontecer?

Mesmo com a possibilidade de o movimento não prosperar, os caminhoneiros sustentam que é a primeira vez desde 2018 que as três entidades representativas estão juntas com um mesmo propósito. Portanto, uma das dúvidas que fica é: qual é o impacto da possível greve em relação ao e-commerce?

Marco Beczkowski, diretor de Vendas e CS da Manhattan Associates Brasil, explicou ao TecMundo quais são as perspectivas do comércio eletrônico caso as ações prosperem. O especialista argumentou que os efeitos da greve dos caminhoneiros seriam inevitáveis para todas as camadas e segmentos. Apesar disso, fez uma ressalva.

"Cada vez mais vemos varejistas, especialmente os grandes, internalizarem muito da entrega da última milha nos grandes centros urbanos", explicou Beczkowski. "Ninguém estará totalmente blindado, mas vejo um movimento desses afetando mais o abastecimento dos centros de distribuição e lojas do que a última milha do digital".

Greve

Beczkowski defendeu que a hipotética greve afetaria menos a entrega do pós-venda porque as empresas já se prepararam para cenários complicados como o que pode acontecer a partir de 1° de novembro. Ele fez questão de ressaltar, porém, uma exceção. Caso as lojas estejam empregando estratégias de venda de estoque futuro (itens que nem chegaram às redes), poderão realmente ser afetadas pela crise, dependendo de quanto durar a paralisação.

E a Black Friday?

A expectativa para a Black Friday 2021, que será realizada em 26 de novembro, é bastante grande. O período de vendas poderia ser afetado em um cenário no qual a greve dos caminhoneiros prosperasse bastante, como aconteceu em 2018? Na época, os trabalhadores ficaram parados por 9 dias e bloquearam rodovias em mais de 20 estados; o movimento chegou a causar falta de insumos, e postos de gasolina tiveram filas que duravam horas para abastecer.

"O maior desafio logístico do varejo para Black Friday é estar bem abastecido com os produtos e as quantidades corretas (processo que ocorre durante meses antes da BF) e conseguir escoar os pedidos em um curtíssimo tempo, imediatamente após a data", explicou Beczkowski. "Acredito que pela distância da data não chegue a afetar muito, mas isso depende da profundidade, da abrangência e da resposta do governo à potencial greve".

Black Friday

Por último, o especialista disse que o comércio pela internet está maduro o suficiente no Brasil e que mesmo estratégias como a venda de estoque futuro não são comuns no mercado, o que deve deixar consumidores e empresários mais tranquilos.

News de tecnologia e negócios Deixe seu melhor e-mail e welcome to the jungle.

Fontes