Google: Microsoft é oportunista e pode 'quebrar a internet'

2 min de leitura
Imagem de: Google: Microsoft é oportunista e pode 'quebrar a internet'
Imagem: Pexels
Avatar do autor

A Google publicou nesta sexta-feira (12) um comunicado em seu blog criticando a Microsoft e afirmando que a empresa de Bill Gates é oportunista. A crítica da gigante das buscas tem relação com o apoio da Microsoft aos veículos jornalísticos que estão pedindo que empresas como Facebook e Google paguem pelos conteúdos noticiosos compartilhados nas plataformas.

O conteúdo afirma que a Google está comprometida em apoiar o jornalismo e cita que a empresa tem iniciativas que promovem o fluxo de receita para os veículos de comunicação. Sobre as mudanças, a gigante ressalta ser contra "propostas que atrapalham o acesso à web aberta", afirmando que a decisão deve prejudicar consumidores, pequenas empresas e editoras, essencialmente "quebrando a internet" como a conhecemos.

Além da defesa, a Google também atacou a Microsoft. "Eles pagaram uma quantia muito menor para a indústria de notícias do que nós. E dada a chance de apoiar ou financiar seus próprios jornalistas, a Microsoft os  substituiu por bots de IA", afirmou.

"Respeitamos o sucesso da Microsoft e competimos arduamente com eles em computação em nuvem, pesquisa, aplicativos de produtividade, videoconferência, e-mail e muitas outras áreas. Infelizmente, à medida que a competição nessas áreas se intensifica, eles estão voltando ao seu guia familiar de atacar rivais e fazer lobby por regulamentações que beneficiem seus próprios interesses", diz o comunicado.

Confira o comunicado da Google na íntegra no site.

Como tudo começou

A polêmica começou quando a Austrália aprovou uma lei que obriga empresas de tecnologia a pagarem pelas notícias que forem publicadas em suas plataformas. Assim que o Código de Negociação de Notícias foi proposto pelo Parlamento, o Facebook bloqueou a publicação e compartilhamento de links de notícias no país. Dias depois, a rede decidiu negociar com o governo australiano e chegaram a um acordo.

A Microsoft, por outro lado, afirmou estar disposta a aceitar o modelo de cobrança para exibir notícias no seu buscador Bing e serviços associados. A empresa afirmou que está a disposição para virar uma alternativa ao Google, que até então, ameaçava retirar seus serviços do país.

"A Microsoft vai garantir que pequenos empreendimentos que queiram transferir a publicidade para o Bing possa fazer isso de forma simples e sem custos de transferência. Nós entendemos o papel importante de anúncios em buscas nos mais de dois milhões de pequenos negócios na Austrália", escreveu o CEO, Satya Nadella, no blog oficial da marca. Além disso, a Microsoft também afirmou que trabalhará em conjunto com editores da imprensa europeia para garantir que os jornais sejam pagos pelas empresas.

News de tecnologia e negócios Deixe seu melhor e-mail e welcome to the jungle.

Fontes

Google: Microsoft é oportunista e pode 'quebrar a internet'