Brasil sofrerá 'consequências' se adotar 5G da Huawei, dizem EUA

1 min de leitura
Imagem de: Brasil sofrerá 'consequências' se adotar 5G da Huawei, dizem EUA
Essa não é uma matéria patrocinada. Contudo, o TecMundo pode receber uma comissão das lojas, caso você faça uma compra.
Avatar do autor

Ao jornal O Globo, o embaixador dos Estados Unidos, Todd Chapman, disse que, se o Brasil implantar suas redes 5G baseadas em uma infraestrutura fornecida pela Huawei, o país sofrerá “consequências” negativas. A entrevista foi concedida nesta quarta-feira (29).

Uma questão de “segurança nacional”

Os EUA baniram a Huawei, acusando-a de espionagem – ao contribuir com o governo chinês, repassando informações de empresas americanas –, o que até agora não foi comprovado e não existem evidências concretas de tal colaboração.

Agora, Chapman explicou que não há interesses comerciais nos possíveis negócios entre o Brasil e a Huawei, uma vez que empresas americanas não estão competindo para fornecer equipamentos 5G. A questão nessa negociação seria de “segurança nacional”, e isso irá atrapalhar futuros investimentos de empresas americanas no Brasil.

Empresas de setores específicos se baseiam em propriedade intelectual, e elas têm receio de investir em países onde essa propriedade intelectual esteja sob qualquer tipo de ameaça quanto à sua integridade.

O embaixador dos EUA, Todd Crawford Chapman. (Fonte: Agência O Globo/Reprodução)O embaixador dos EUA, Todd Crawford Chapman. (Fonte: Agência O Globo/Reprodução)Fonte:  O Globo 

Exemplos de empresas que lidam com propriedade intelectual são as dos setores farmacêutico e de software. Caso o Brasil adquira equipamentos 5G de uma empresa que poderia contribuir com o governo chinês, correria sério risco de perder o investimento de empresas desses segmentos, o que pode fazer com que o nosso país se perpetue como exportador de matérias-primas, ao invés de começar a exportar alta tecnologia.

No momento, além da Huawei, há outras três empresas fornecedoras de equipamentos 5G: a Ericsson (Suécia), a Nokia (Finlândia) e a Samsung (Coreia do Sul).

Banir a Huawei seria praticamente impossível

Para o Brasil, banir a Huawei, como querem os americanos, seria uma tarefa praticamente impossível. A companhia chinesa se fortaleceu por aqui nos últimos 20 anos e, hoje, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) estima que, das 86 mil torres de redes 2G, 3G e 4G em nosso território, 70 mil foram fabricadas pela Huawei.

Em junho, o vice-presidente da república, Hamilton Mourão, disse ao UOL que “...nossas operadoras não podem, da noite para o dia, simplesmente retirar isso”.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Brasil sofrerá 'consequências' se adotar 5G da Huawei, dizem EUA