Outra líder dos protestos na Google deixa a companhia

1 min de leitura
Imagem de: Outra líder dos protestos na Google deixa a companhia
Fonte: Shutterstock
Avatar do autor

Meredith Whittaker, uma das líderes do movimento #GoogleWalkout4Change — que denunciava a maneira negativa como a Google lidava com as questões de assédio na empresa —, disse nesta semana que está deixando a gigante de tecnologia. Posteriormente, a companhia confirmou a notícia que surgiu no Twitter e foi replicada pelo Bloomberg.

Vale lembrar que Whittaker não é a primeira pessoa envolvida nos protestos a pedir demissão: no mês passado, Claire Stapleton também anunciou que estava saindo da Google.

Após as manifestações contra as políticas da empresa, ambas as funcionárias relataram a diversos veículos de comunicação que estavam enfrentando retaliações. Outros colaboradores também disseram estar passando pelas mesmas situações, como uma possível consequência de sua participação na greve.

asaMeredith Whittaker anunciou a sua saída da Google na última semana. (Fonte: Fortune/Rebecca Greenfield)

Início dos problemas

A paralisação envolvendo milhares de funcionários ocorreu em novembro de 2018. O movimento foi realizado após o New York Times divulgar um relatório apontando que o cocriador do Android, Andy Rubin, deixou a companhia com um pagamento de US$ 90 milhões, mesmo após as lideranças terem conhecimento das várias denúncias sobre a conduta sexual do executivo.

Os protestos de funcionários foram além desse tema. Também no ano passado, houve eventos contra o projeto Dragonfly (mecanismo de busca censurado da empresa para a China) e contra o contrato que a Google mantinha com o Pentágono para uso de inteligência artificial em análise de vídeos feitos por drones.

A empresa divulgou uma nota no mês passado afirmando que não renovaria os contratos com o governo americano.

Fontes

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
Outra líder dos protestos na Google deixa a companhia