Google pagou bônus milionários a ex-executivos acusados de assédio

1 min de leitura
Imagem de: Google pagou bônus milionários a ex-executivos acusados de assédio
Avatar do autor

A Google pagou quantias volumosas em ações para dois ex-executivos que deixaram a companhia acusados de assédio sexual, informa nesta terça-feira (120) o site The Verge. A informação inicial, dada pelo Bloomberg, era de que a empresa foi acusada de realizar tais pagamentos em uma ação judicial movida por um acionista, mas, posteriormente, a Google confirmou a acusação.

Em outubro do ano passado, o New York Times havia revealado a existência desses “bônus por má conduta” dado pela Gigante da Web a executivos.

Segundo consta, a empresa ofereceu US$ 150 milhões em ações para Andy Rubin, o criador do Android, e US$ 45 milhões para Amit Singhal, mas, apesar de ter autorizado um pagamento de até US$ 135 milhões, pagou de fato “apenas” US$ 105 milhões aos dois — Rubin levou US$ 90 milhões e Singhal, US$ 15 milhões.

Manobra de gigantes

De acordo com o acusador, o pagamento foi realizado após pressão dos criadores da Google, Sergey Brin e Larry Page, e de Eric Schmidt, então presidente da companhia, que teriam "dominado" o grupo responsável por autorizar esse tipo de compensação.

Não bastasse a falta de ética implicada em realizar pagamentos milionários para executivos deixando a companhia acusados de assédio, a Google é acusada pelo acionista reclamante de violar a sua obrigação fiduciária, abuso de poder, desperdício corporativo e enriquecimento ilícito. Ele pede ainda uma indenização por danos sem valor especificado.

Andy Rubin foi acusado de forçar uma trabalhadora da Google a realizar sexo oral nele em um hotel, em 2013, enquanto Singhal foi acusado de apalpar uma funcionária nas instalações da empresa em 2016. Os dois negaram tais acusações.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
Google pagou bônus milionários a ex-executivos acusados de assédio