Imagem de: Presidente demitido dos Correios planejava IPO da empresa

Presidente demitido dos Correios planejava IPO da empresa

1 min de leitura
Avatar do autor

Juarez Aparecido de Paula Cunha, presidente dos Correios que teve a demissão anunciada por Jair Bolsonaro na última sexta-feira (14), estava planejando abrir o capital da estatal na bolsa em cinco anos.

Cunha foi nomeado para o cargo ainda no governo de Michel Temer e se mostrava contra a privatização. Em uma comissão na Câmara dos Deputados, o então presidente dos Correios falou para uma plateia de membros da oposição e sindicalistas que somente a parte lucrativa dos Correios seria privatizada, o déficit quem cobriria é a população.

A fala durante a comissão levou Bolsonaro a categorizar o comportamento de Cunha como “um sindicalista” e logo depois anunciar sua exoneração.

Recuperação

O IPO dos Correios fazia parte do plano de Cunha para a recuperação da empresa que já vinha registrando lucro há dois anos consecutivos. Em entrevista ao Valor Econômico, em abril, Cunha já havia defendido sua posição contrária a privatização.

"A Argentina privatizou [o serviço postal] e teve que retomar porque não deu certo. O Brasil é um país muito maior. Tenho quase certeza que esta decisão pode causar problema", exemplificou.

Ainda não há um substituto para Cunha.

Fontes

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
Presidente demitido dos Correios planejava IPO da empresa