Presidente demitido dos Correios planejava IPO da empresa

1 min de leitura
Imagem de: Presidente demitido dos Correios planejava IPO da empresa
Avatar do autor

Juarez Aparecido de Paula Cunha, presidente dos Correios que teve a demissão anunciada por Jair Bolsonaro na última sexta-feira (14), estava planejando abrir o capital da estatal na bolsa em cinco anos.

Cunha foi nomeado para o cargo ainda no governo de Michel Temer e se mostrava contra a privatização. Em uma comissão na Câmara dos Deputados, o então presidente dos Correios falou para uma plateia de membros da oposição e sindicalistas que somente a parte lucrativa dos Correios seria privatizada, o déficit quem cobriria é a população.

A fala durante a comissão levou Bolsonaro a categorizar o comportamento de Cunha como “um sindicalista” e logo depois anunciar sua exoneração.

Recuperação

O IPO dos Correios fazia parte do plano de Cunha para a recuperação da empresa que já vinha registrando lucro há dois anos consecutivos. Em entrevista ao Valor Econômico, em abril, Cunha já havia defendido sua posição contrária a privatização.

"A Argentina privatizou [o serviço postal] e teve que retomar porque não deu certo. O Brasil é um país muito maior. Tenho quase certeza que esta decisão pode causar problema", exemplificou.

Ainda não há um substituto para Cunha.

Cupons de desconto TecMundo:

Fontes

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Presidente demitido dos Correios planejava IPO da empresa