No último domingo (09), a força-tarefa da Operação Lava Jato publicou uma nota de esclarecimento confirmando que as mensagens entre o ex-juiz Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol, divulgadas pelo The Intercept Brasil, foram obtidas por meio de um ataque hacker.

O Ministério Público Federal (MPF) disse não saber a extensão do ataque nem a quantidade de arquivos vazados. Na nota, a equipe condena a invasão como um ataque criminoso que põe em risco estratégias de investigações e relações profissionais e pessoais de procuradores.

O comunicado ainda ressalta que foram hackeados celulares e aplicativos de procuradores, sendo captadas informações sobre as ações do MPF e sobre a vida privada dos profissionais. A força-tarefa se diz tranquila quanto às mensagens expostas, reforçando que manteve "respeito à legalidade, de forma técnica e imparcial" durante os 5 anos de Operação Lava Jato.

Confira a nota na íntegra.

Entenda o vazamento

No domingo (09), o site The Intercept Brasil divulgou partes de uma conversa entre Moro e Dallagnol que sugerem que o ex-juiz teria sido parcial em suas decisões envolvendo a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao manter contato próximo com o procurador e chegar a supostamente instruir as ações do MPF.

As alegadas mensagens foram trocadas por meio de aplicativos de conversas como o Telegram e enviadas ao site por uma fonte anônima.