Impressoras podem parecer um mercado em decadência, mas a verdade é totalmente o contrário. Houve um crescimento nesse segmento no Brasil de 21% em 2017 e, em 2018, foi registrada mas uma expansão de 8% no número de vendas. Os dados são da IDC Brasil, que ainda identificou a consolidação das “tanque de tinta” entres os consumidores domésticos.

Ao todo, foram vendidas 1,4 milhões de máquinas no varejo durante o ano de 2018. Quase 750 mil delas eram modelos com tanque de tinta, segmento que cresceu 28% na relação com o ano anterior. O mercado corporativo, por sua vez, comprou mais 913 mil novas impressoras no ano passado, sendo quase 480 mil delas modelos a laser.

Apesar de um investimento inicial maior do que o habitual, apresentam alto rendimento de tinta

“A adoção dessas tecnologias não foi surpresa, já que desde 2016 – e mais aceleradamente em 2017 – temos notado um crescimento na venda de equipamentos tanque de tinta, principalmente para o consumidor doméstico e pequenos empresários, pois apesar de um investimento inicial maior do que o habitual, apresentam alto rendimento de tinta, além de multifunções, como scanner e cópia”, diz Rodrigo Okayama Pereira, analista de mercado da IDC Brasil.

Enquanto os usuários domésticos preferem as tanque de tinta por conta do baixo custo dos suprimentos, as grandes empresas focam na tecnologia de impressão a laser devido ao alto desempenho.

Combinam custo por página competitivo, alta capacidade e velocidade de impressão

“As impressoras a laser se mantém os preferidos pelas empresas pois combinam custo por página competitivo, alta capacidade e velocidade de impressão, oferecendo inovações em software e serviços, como gerenciamento, segurança e produtividade para os mais diversos nichos de mercado” disse Pereira.

O mesmo analista ainda explica que 2017 teve um crescimento atípico pelo fato de que muitos consumidores vinham adiando a troca por equipamentos novos por alguns anos. Então chegou 2017 com um grande ciclo que atualizações. Mesmo com isso, 2018 representou um aumento de receita de 14,7% em relação a 2017, chegando a US$ 727 milhões.