Pela primeira vez, em 2018, a NASA resolveu enviar dois CubeSats numa missão além da órbita terrestre. A ideia era testá-los quanto à sua eficiência e potencial numa exploração pelo espaço profundo. Infelizmente, desde o final de dezembro (2018) e início de janeiro (2019), a agência espacial não mantém mais contato com os satélites. E a razão não foi totalmente esclarecida.

CubeSat é um tipo de satélite padronizado, “em miniatura”, do tamanho de uma caixa grande de cereal, usado em pesquisas espaciais. Os CubeSats perdidos são duas sondas MarCO, que receberam os nomes EVE e WALL-E, em homenagem ao filme de ficção científica dos estúdios Pixar. Eles foram enviados juntamente com o módulo InSight, numa missão no planeta vermelho, no dia 5 de maio.

No dia 26 de novembro, o InSight começou a aterrissar no solo de Marte, enquanto os satélites da MarCO enviavam o status do andamento do pouso para a Terra. Na NASA, a equipe responsável pela missão ficou muito satisfeita por poder acompanhar os passos do InSight quase que em tempo real, o que não seria possível sem EVE e WALL-E. Outras espaçonaves maiores também coletaram dados sobre o pouso do Insight em Marte, mas nem de longe a eficiência pôde ser comparada à dos dois minúsculos satélites. Para a agência, é imprescindível obter retorno o mais rápido possível sobre aterrissagens, a fim de diagnosticar falhas e tentar resolvê-las. 

A participação dos dois satélites terminou exatamente após o pouso do InSight. Tudo havia sido um teste, com EVE e WALL-E tendo passado com louvor. Segundo a MarCO, ela conseguiu, de forma grandiosa, comprovar a capacidade de sua tecnologia. A partir daí os satélites permaneceram em órbita ao redor do Sol por mais ou menos um mês, até que a comunicação com a Terra foi interrompida: primeiro um e, uma semana depois, o outro.

Até agora, não se sabe exatamente o que aconteceu, embora haja algumas suposições. É possível que as sondas, simplesmente, tenham tido uma pane eletrônica, ou o gás necessário para realizar a propulsão de suas antenas e apontá-las para a Terra pode ter vazado e chegado ao fim. Sem as antenas estarem voltadas precisamente para nós, a comunicação se torna impossível. Outra possibilidade é que os satélites tenham se afastado tanto do Sol, que perderam a capacidade de detectá-lo e virar seus painéis em direção à estrela, para manterem-se energizados. Caso seja esse o motivo, em agosto, eles devem voltar a ficar mais próximos do Sol, com a possibilidade de detectá-lo e, assim, restabelecerem o contato com a NASA.

De qualquer forma, mesmo que os dois CubeSats nunca mais sejam “vistos” novamente, sua “atuação” foi de grande importância para a agência espacial. Para se ter uma ideia, o InSight custou US$ 830 milhões, enquanto eles dois foram construídos com um orçamento de apenas US$ 18,5 milhões. Por esse motivo, a NASA já pretende utilizar a mesma tecnologia em missões futuras, com esses satélites extremamente pequenos servindo como meios de comunicação entre o espaço profundo e a Terra.