No início do mês, a Bloomberg soltou uma “bomba” envolvendo espionagem entre o governo chinês e os EUA, através de componentes modificados vendidos a empresas americanas, dentre elas a Apple. Entretanto, a Apple já negou que tenha sido espionada. Sobrou um assunto ainda mais delicado: a guerra comercial travada entre o presidente Trump e a China.

Esse impasse entre a Casa Branca e o governo chinês poderia vir a prejudicar várias empresas estadunidenses e, algumas, muito mais, como a Apple, já que a China é o maior mercado de smartphones do planeta.

O secretário do Partido Comunista, Li Qian, chegou a afirmar que a Apple pode ajudar a achar uma solução final para o impasse comercial entre os dois países, atuando como uma espécie de “embaixadora da boa vontade”.

Outro motivo que pode ter levado Cook ao outro lado do mundo, sugerido por agências de notícias locais, é que as vendas do iPhone XS estão indo bem mal, o que pode ter sido ocasionado por essas disputas entre os governos, além do alto preço que o smartphone da Maçã tem por lá. Só para se ter ideia, com o valor cobrado pelo iPhone XS Max na China, dá para comprar dois aparelhos topo de linha da Huawei.