Imagem de: STJ decide em favor da Apple em disputa da marca “iPhone” com a Gradiente

STJ decide em favor da Apple em disputa da marca “iPhone” com a Gradiente

1 min de leitura
Avatar do autor

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu nesta quinta-feira (20) em favor da Apple na disputa pela marca “iPhone” com a brasileira Gradiente. O STJ reconheceu o registro feito pela Gradiente em 2000, sete anos antes do lançamento do iPhone nos EUA, mas não garantiu a exclusividade do nome.

Isso porque o STJ entendeu que o nome “iphone” é descritivo — que dá nome a uma categoria de produtos — e não distintivo, como argumenta a Gradiente. Isso é curioso pelo fato de não haver nenhum outro iPhone no mercado além do Apple.

De qualquer maneira, o relator do caso, Luis Felipe Salomão, justificou a decisão apontando que, apesar da decisão, a Gradiente pode continuar usando termo “Gradiente iPhone”, mas não “iPhone” sozinho, o que, a princípio, pode ser uma contradição ao que o próprio STJ afirma, quando diz que se trata de um termo descritivo.

Segundo o site Infomoney, as ações da Gradiente despencaram em 45% depois da decisão a favor da Maçã, sendo negociadas por R$ 3,45. Elas chegaram a subir 600% no começo da semana, com a expectativa de que a decisão fosse revertida parca a marca brasileira.

Lançamento sem sucesso

A Gradiente chegou inclusive a lançar um smartphone Android chamado iPhone no início da batalha judicial contra a Apple, mas isso só depois que o iPhone da Maçã já estava no Brasil. Contudo, a empresa havia criado um conceito já no ano 2000 de um iPhone, o qual tinha como diferencial a conectividade com a internet, transmissão de dados via infravermelho e mais. Esse dispositivo, contudo, nunca chegou às prateleiras.

conceitoConceito do iPhone da Gradiente do ano 2000

O advogado da Gradiente, Antônio Carlos de Almeida Castro, afirmou que vai aguardar a publicação completa da decisão para alinhar com a empresa brasileira possibilidades de recorrer. A Apple se negou a comentar o assunto com o UOL.

Curiosamente, a empresa norte-americana perdeu uma batalha judicial similar no México, quando uma empresa chamada iFone processou a Maçã por usar uma grafia similar à do seu nome, registrado anos antes do lançamento do celular. A Apple teve que pagar uma indenização, mas continua vendendo seus smartphones por lá.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
STJ decide em favor da Apple em disputa da marca “iPhone” com a Gradiente