Em tempo de Copa do Mundo, é praticamente impossível que os brasileiros esqueçam o que aconteceu na última vez em que enfrentaram os alemães em jogos pela competição. Mas o que nem todo mundo se lembra é o que estava envolvido no processo de preparação da seleção alemã. Mais do que treinamentos: muito estudo e análise de dados.

Já faz alguns anos que a seleção alemã (e vários grandes times da Europa) tem usado uma plataforma de Big Data para melhorar seus números. Trata-se de um projeto chamado Sports One, que é baseado em nuvens e consegue fazer cálculos com muitas informações sobre atletas em tempo real, como número de passes, velocidade média, tempo de posse da bola e posicionamento em campo.

Os departamentos médicos das equipes ainda conseguem até mesmo prever possíveis lesões de acordo com o desempenho e pequenas alterações na movimentação. Mas será que é somente nos esportes que a análise de dados vem ganhando destaque? Muito pelo contrário… Esse mercado só cresce e a demanda por profissionais aumenta junto.

O caso Netflix

Recentemente, nós publicamos outro material em parceria com a Udacity para mostrar o caso de sucesso da Netflix. Afinal de contas, como uma empresa que alugava DVDs pela internet se tornou a maior empresa de streaming do mundo?

A resposta se dá basicamente pelo fato de que o serviço faz com que os consumidores não precisem mais perder tempo olhando prateleiras, pois as respostas sobre “o que assistir” já chegam diretamente na sua tela principal.

Isso só é possível porque há computadores poderosos verificando os perfis de consumo de conteúdo dos usuários, fazendo cruzamentos de referências sobre “o que você assiste”, “como você assiste”, “quanto você assiste”, “como você classifica esse conteúdo” e “o que assiste depois”.

Construindo um perfil com base nessas informações, a Netflix consegue duas informações muito importantes: descobrir o que pode agradar você após acabar um filme ou uma série dentre as opções que ela oferece; e saber o que outras pessoas que possuem perfis similares estão aceitando ou rejeitando.

Café-da-manhã a qualquer hora do dia

Se você consome alimentos do McDonald’s, é certo que as análises de dados estão ajudando a montar o seu sanduíche. Para começar, o cruzamento de dados das franqueadas de todo o mundo ajudam a decidir que tipo de cardápio vai ser servido em cada país.

Indo além: a rede usa grandes volumes de informações para saber que tipo de lanche se sai melhor em cada horário do dia. Um exemplo bem interessante disso está no cardápio dos restaurantes dos Estados Unidos, que hoje permitem aos consumidores a escolha de algumas opções, que antes eram exclusivas do café-da-manhã, a qualquer hora do dia.

Um caso mais localizado para os brasileiros está na chegada dos sanduíches da Copa que voltaram em 2018. Depois de um enorme sucesso em 2014, vários deles estão sendo vendidos novamente. Parece uma decisão óbvia, mas isso só é possível porque há números sólidos para justificar os investimentos em publicidade e novas receitas para o lançamento da linha.

Dados direto da maquininha de cartão

Quase todo mundo que já fez compras com cartão de crédito ou débito já viu as máquinas da Cielo. Esta empresa é uma das maiores do Brasil no setor de pagamento, mas também apresenta algumas soluções para os empresários que precisam de inteligência de dados: o Cielo Farol.

Com base nos dados que as parceiras já coletam, a companhia promete relatórios completos sobre movimentação financeira, insights, formas de fidelização de clientes, perfil de público e também comparações com negócios similares. Trata-se do uso inteligente de dados para facilitar a vida dos clientes.

E como ingressar nesse mercado?

Agora que você já conheceu alguns casos de sucesso do uso da inteligência de dados no mercado, talvez você esteja pensando em ingressar nessa área. Então você precisa conhecer  os cursos de Data Science da Udacity, a Universidade do Vale do Silício. Conheça os programas Nanodegree que a plataforma online possui e aprenda como construir transformar o mundo e a sociedade por meio da tecnologia.