Um hipnotista norte-americano revelou ao Wall Street Journal que está tratando milionários de Bitcoin que esqueceram as senhas de suas carteiras virtuais nas quais guardavam suas criptomoedas. O profissional também informou que consegue ajudar essas pessoas a recordarem onde guardaram algum pendrive ou HD com as chaves de suas Bitcoin.

“Eu desenvolvi uma coleção de técnicas que permitem às pessoas acessarem suas memórias antigas e ver coisas que elas guardaram em um lugar escondido”, comentou à publicação norte-americana.

Eu desenvolvi uma coleção de técnicas que permitem às pessoas acessarem suas memórias antigas e ver coisas que elas guardaram em um lugar escondido

Com a Bitcoin tendo atingido valores em 2017 até 20 vezes maiores do que no ano anterior, investidores que apostaram na criptomoeda há alguns anos estão agora milionários, mas muitos não conseguem ter acesso à suas fortunas. Isso porque boa parte dessas pessoas guarda suas chaves para as Bitcoin em carteiras virtuais, protegidas por senhas. Para impedir que uma ou outra organização tenha algum controle efetivo sobre esse dinheiro virtual, apenas o dono tem a senha, e não há qualquer sistema de recuperação para evitar que hackers consigam roubar Bitcoin por meio de phishing ou outras técnicas.

Ele cobra uma Bitcoin por sessão e também 5% do valor recuperado

O lado negativo, contudo, é que, quando uma senha é esquecida pelo dono, ele essencialmente perde tudo o que tinha, a não ser que consiga relembrar sua senha. É aí que entra o hipnotista. Ele cobra uma Bitcoin por sessão e também 5% do valor recuperado quando a senha for relembrada.

Um dos clientes do hipnotista é Philip Neumeier, um homem que estava experimentando com a ideia de aceitar Bitcoin como forma de pagamento em seu site de ecommerce. Ele comprou 15 Bitcoin por US$ 260 em 2013 e, agora, a cifra se multiplicou para US$ 300 mil. Além das sessões com o hipnotista, Neumeier construiu um pequeno supercomputador para tentar quebrar a senha em um processo de adivinhação que pode levar anos. “Eu provavelmente vou estar com 332 anos quando o processo terminar. Espero que a Bitcoin valha alguma coisa até lá”, disse o investidor ao Wall Street Journal.