Por conta de sua vida extravagante e seus negócios polêmicos – que costumam flertar com a ilegalidade –, Kim Dotcom, criador do badalado e já extinto Megaupload, pode enfrentar um futuro sombrio. Lembra do processo rolando na Justiça da Nova Zelândia que tinha por objetivo extraditar o rapaz para os EUA? Aparentemente, a corte neozelandesa decidiu agora que o empreendedor alemão pode ser mandado para a Terra do Tio Sam para responder por seus crimes.

Além de Kim, outros três parceiros do magnata da internet podem enfrentar o mesmo destino: Mathias Ortmann, Bram van der Kolk e Finn Batato. A ideia é que eles sejam enviados para a Justiça norte-americana para serem julgados em acusações que vão desde infração de copyright e lavagem de dinheiro a tentativas de extorsão. Para chegar a essa decisão, o juiz responsável pelo caso disse que uma bela quantidade de evidências pesou contra os réus.

Apesar de o cenário ser bastante desfavorável para o empresário, não é como se ele não estivesse acostumado com esse tipo de pressão durante as batalhas judiciais, já que briga pelo menos desde 2012 contra os promotores norte-americanos. Mesmo tendo seu Megaupload fechado pelo FBI há quase quatro anos, Kim ainda enfrenta uma lista considerável de denúncias por parte das indústrias fonográficas e cinematográficas dos EUA.

Segundo as contas dos acusadores, o alemão teria lucrado cerca de US$ 175 milhões (R$ 693 milhões) de forma ilegal, ao negar ganhos de mais de US$ 500 milhões (R$ 1,9 bilhão) aos cofres de diversos estúdios e gravadoras. Declarando estar “desapontado” com a decisão da corte sediada na Nova Zelândia, Kim deve fazer uma última apelação para evitar a real extradição do país. Estima-se que, caso tenha seu pedido negado, o rapaz possa ter que cumprir até 20 anos de cadeia – um período nada curto para o aficionado por Call of Duty.

Será que o criador do Megaupload finalmente vai encarar a Justiça norte-americana? Comente no Fórum do TecMundo!

Cupons de desconto TecMundo: