Em geral, o crescimento de parceiras e clientes é motivo de festa para fabricantes e fornecedores de hardware, principalmente no segmento mobile, que desova milhões de aparelhos anualmente no mercado. No caso da MediaTek e de sua amizade com a Xiaomi, no entanto, a história segue por um caminho totalmente contrário a esse. Isso porque a empresa chinesa desistiu de um pedido massivo dos novos chips Helio X30 e acabou deixando seus amigos taiwaneses em uma situação bastante complicada.

Oras, mas não seria fácil para a MTek reorganizar esse estoque inesperado e pulverizá-lo entre outras companhias do setor? Infelizmente, para eles, a solução não é tão fácil assim. Entenda, os processadores da linha X30 são fabricados já no novo processo de litografia de 10 nm, que busca aliar desempenho com uma maior eficiência energética. Enquanto isso é uma boa notícia para o consumidor, não é uma novidade que chega sem custo para as empresas, que precisam repassar essa taxa extra de fabricação, de algum modo, adiante.

O chip ainda não caiu nas graças dos grandes nomes da indústria

É aí que o tempo fecha para a MediaTek. Boa parte das fabricantes do segmento, por exemplo, ou não estão preparadas para integrar esse tipo de tecnologia aos seus atuais projetos de celulares e tablets ou preferem não encarecer seus produtos nesse início da tecnologia. E, por outro lado, as que recebem o novo componente de braços abertos para integrar seus equipamentos mais premium já estão, em sua maioria, brigando a tapa pelo bastante aguardado Snapdragon 835.

A produtora de chips taiwanesa está em uma situação inversa quando comparada à Qualcomm

Assim, a produtora de chips taiwanesa está em uma situação inversa quando comparada à Qualcomm. Enquanto a Samsung suga boa parte dos recursos da gigante norte-americana para alimentar seu vindouro Galaxy S8, fazendo com que LG e HTC acabem tendo que recorrer ao Snapdragon 821 para não perderem a janela de lançamentos, a MTek se vê tendo que cancelar praticamente metade dos seus pedidos juntos a TSMC por conta da decisão tomada pela Xiaomi. Ninguém disse que o mercado era justo, certo?

Carteira reduzida de clientes

Boa parte dos problemas que a MediaTek acaba enfrentando nesse momento com a sua empreitada nos chips de 10 nm vem do fato de ela ter poucos compradores para a nova tecnologia. Segundo o site WCCFTech, a empresa tinha apenas três clientes iniciais para o Helio X30: LeEco, Xiaomi e Meizu. Assim, o que complicou tudo foi que, ao mesmo tempo em que a Xiaomi voltou atrás em seu pedido para pensar em soluções próprias para seus próximos top de linha, a LeEco teve que cancelar tudo por conta de problemas financeiros.

Ok, a Meizu aparentemente continua firme e forte no negócio, mas seus números sozinhos não garantem um uso completo do material encomendado pela MTek. Agora, a esperança para eles é que outras marcas desistam de esperar por novas fornadas do Snapdragon 835 e pensem em adaptações para incluir o X30 em seus projetos mais arrojados. Acredite, isso também pode ser bom para você.

Novo celular da Meizu deve chegar ao mercado com o Helio X30

Afinal, além de o novo Helio ser um processador realmente poderoso e capaz de brigar com seus principais concorrentes – trazendo dez núcleos e uma estrutura feita para encarar todo tipo de desafio –, nunca é bom ter uma marca dominando todo o mercado. E aí, acha que a MediaTek vai conseguir dar a volta por cima nesse ramo dos 10 nm ou a Qualcomm realmente vai levar a melhor ao figurar em boa parte dos celulares mais badalados de 2017?

Cupons de desconto TecMundo: