Google, Facebook e Twitter ameaçam deixar Hong Kong por causa de lei

1 min de leitura
Imagem de: Google, Facebook e Twitter ameaçam deixar Hong Kong por causa de lei
Imagem: Brett Jordan/Unsplash
Avatar do autor

Os gigantes da tecnologia Facebook, Twitter e Google ameaçaram encerrar os serviços em Hong Kong. No país, discute-se uma lei que tornaria as empresas responsáveis pela disseminação de informações maliciosas na internet, o que inviabilizaria as operações das companhias, de acordo com elas.

A informação foi divulgada nesta segunda-feira (5) em reportagem do The Wall Street Journal. Segundo o veículo, as marcas formalizaram a possível decisão em uma carta enviada ao governo local e assinada em conjunto por outros empreendimentos que atuam na internet.

A preocupação das empresas é de que a nova política coloque em risco os funcionários e executivos que atuam no país, já que eles poderiam ser investigados e responsabilizados por ocorrências de doxing praticados pelos usuários das redes. O doxing é a prática de jogar dados e informações pessoais de pessoas na internet.

Facebook, Twitter e Google

O Gabinete de Assuntos Constitucionais de Hong Kong quer alterar a lei local de proteção de dados com a justificativa de combater crimes como o doxing, que foi bastante comum durante os protestos de 2019. A população foi às ruas para demonstrar o descontentamento com a interferência chinesa nas leis da nação, incluindo um projeto que permitiria a extradição de cidadãos.

Sanções e prejuízos da lei

Uma das propostas apresentadas pelos políticos de Hong Kong para evitar o crime de doxing inclui o pagamento de multas de US$ 128,8 mil (cerca de R$ 654 mil na cotação atual) e penas de cinco anos de prisão, que poderiam ser direcionadas a executivos das empresas de internet, mesmo os crimes tendo sido cometidos pelos usuários.

"A única maneira de evitar essas sanções para as empresas de tecnologia seria abster-se de investir e oferecer os serviços em Hong Kong", conforme um trecho da carta assinada pelas empresas em 25 de junho, em nome da Asia Internet Coalition, e publicado pelo The Wall Street Journal.

Ainda de acordo com o documento, as novas leis são uma "resposta completamente desproporcional e desnecessária" aos crimes virtuais e podem colocar em risco a liberdade de expressão, além de criminalizar até mesmo "atos inocentes de compartilhamento de informações online".

Google

Um porta-voz do Gabinete de Assuntos Constitucionais de Hong Kong revelou que o órgão recebeu a carta e defendeu que as novas leis são extremamente necessárias, já que o doxing "testou os limites da moralidade e da lei".

Google, Facebook e Twitter ameaçam deixar Hong Kong por causa de lei