YouTube: Terraplanismo e outras conspirações estão menos visíveis

1 min de leitura
Imagem de: YouTube: Terraplanismo e outras conspirações estão menos visíveis
Essa não é uma matéria patrocinada. Contudo, o TecMundo pode receber uma comissão das lojas, caso você faça uma compra.
Avatar do autor

A plataforma de vídeos YouTube parece ter ouvido as críticas de que estava ajudando a espalhar desinformação ao recomendar conteúdos sobre terraplanismo e outras teorias conspiratórias. Uma nova pesquisa agora aponta que o site reduziu bastante a visibilidade espontânea desses conteúdos — e que, embora o caminho ainda seja longo, ao menos ações de fato foram tomadas.

O estudo de pesquisadores da Universidade de Berkley, EUA, envolveu a criação de um algoritmo que navegou pela plataforma automaticamente e analisou 8 milhões de recomendações durante 15 meses. Ele detectava se o vídeo era conspiracionista baseado em tópicos como descrição, transcrição das falas e comentários.

Segundo os resultados, vídeos de teorias da conspiração estão em média 40% menos visíveis nas recomendações e reproduções automáticas — e esse número chegou a 70% no ponto mais alto detectado pelo estudo, no fim do ano passado. Temas como terraplanismo e acusações de que o governo dos EUA financiou os ataques terroristas do 11 de setembro de 2001 foram os mais afetados. A evolução foi notada a partir do início das atitudes do próprio YouTube, que garantiu que trabalharia para não ajudar a espalhar esse tipo de conteúdo.

Pode melhorar

Porém, a pesquisa científica também encontrou algumas falhas na atitude do YouTube que podem ser corrigidas. Apesar do sucesso em combater algumas conspirações, outras acabaram negligenciadas e continuam com destaque — o que incluiria os negacionistas de mudanças climáticas, que estão em alta na plataforma.

Além disso, há uma limitação no estudo: ele não leva em conta a popularidade ou a quantidade de visualizações de cada vídeo avaliado e nem consegue medir o quanto cada um realmente era capaz de levar o espectador à radicalização. Ou seja, ainda não foi possível concluir se youtubers com uma alta quantidade de visualizações e seguidores foram de fato afetados e agora atingem menos pessoas.

O estudo completo pode ser conferido por aqui (em inglês).

Comentários

Conteúdo disponível somente online
YouTube: Terraplanismo e outras conspirações estão menos visíveis