Netflix ou Disney+? Quem vai vencer a batalha do streaming?

4 min de leitura
Imagem de: Netflix ou Disney+? Quem vai vencer a batalha do streaming?
Fonte: Grizzle
Avatar do autor

Como todo mundo sabe, a Disney deve desembarcar com força total no mercado de streaming audiovisual — com poderio pesado, suficiente para derrubar a Netflix. Coloque nessa seara outras concorrentes, a exemplo de Amazon Prime, Hulu, HBO Go, entre outras, minando o controle da atual líder e você terá uma batalha um tanto quanto interessante. E quem será que vai vencer?

Aproveitamos a análise do pessoal do Tech Radar e nos inspiramos para dar uma olhadinha mais de perto em como ficará o panorama desse setor daqui para frente. Ainda que o Disney+ (que um dia cogitou-se chamar Disney Play) seja lançado somente nos últimos meses de 2019, já vale aquela avaliada prévia.

Preço e disponibilidade

É bem possível que o Disney+ chegue atacando diretamente o bolso dos assinantes com uma oferta de preço baixo, algo em torno de US$ 5,99 (R$ 24), enquanto o plano básico da Netflix sai por US$ 8,99 nos Estados Unidos (R$ 35,40).

Com diferentes planos, liberação de telas e alcance em muitos países, o Disney+ vai depender muito de sua distribuição em todo o mundo, além de ofertas de pacotes que até mesmo incluam programação em 4K. As atrações da ESPN+ e do Hulu podem, por exemplo, vir como interessantes brindes temporários para novos seguidores.

O Disney+ deve chegar aos Estados Unidos no dia 12 de novembro e, caso queira mesmo derrubar a concorrência, precisa se agilizar para estar o quanto antes em outros países — inclusive com versões localizadas de interface.

Ferramentas e interface

Por enquanto não há muito o que mostrar a respeito do visual de navegação do Disney+, a não ser uma interface mostrada pela própria Disney e que se parece bastante com o layout de “tijolos” da Netflix. Nessa prévia é possível ver um acesso direto às produções mais populares de Disney, Pixar, Marvel, Star Wars e National Geographic.

NetflixFonte: Tech Radar

A Netflix possui uma equipe interna que passa muito tempo somente otimizando as experiências de uso em diversos dispositivos e sempre está testando novas maneiras para os usuários interagirem. Em comparação, a HBO Go no Brasil sequer troca sua tela inicial com o que chega de novo na plataforma, por exemplo — e isso é frustrante.

Se quiser vencer a Netflix, o Disney+ precisa não somente oferecer o que a concorrente já traz mas também alguns diferenciais: o Amazon Prime tem raz uma ferramenta de visualização de dados de atores e trilhas em tempo real, por exemplo.

Conteúdo

Aqui o bicho pega para a Netflix. Isso porque o atual modelo de negócios de conteúdo obriga a companhia a lidar com atrações de terceiros no catálogo de acordo com os licenciamentos em cada praça — daí a razão de você ver muita coisa entrando e saindo do ar mensalmente. Embora sejam mais de 6 mil títulos, muitos deles ficam indisponíveis de acordo com a região.

Disney agora conta com a série de TV mais longeva da história, “Os Simpsons”

Já o Disney+ deve ter tudo o que é mais popular em todas as propriedades da Disney desde o primeiro dia e sem data para sair de catálogo. Isso inclui não somente animações e filmes clássicos, a exemplo de “Branca de Neve” e “Aladdin”, mas também filmes do Marvel Studios e “Star Wars”, que, como sabemos, são campeões de audiência e gostam de quebrar recordes bilionários de vendas de ingressos.

netflixFonte: Disney

Coloque na conta a mais longeva série da história da TV, “Os Simpsons”, e programas que vêm com a Fox e você terá uma fonte de respeito. A Netflix pode estar construindo sua própria história com “Orange is the New Black”, “GLOW”, “BoJack Horseman” e atrações que chegam ao Oscar (e vencem), a exemplo de “Roma”, mas ainda falta bastante para que ela tenha a biblioteca combinada de Disney e Fox.

Visão geral

A Netflix é o “serviço a ser batido”, com nada menos do que 140 milhões de assinantes em todo o mundo e uma ampla biblioteca que cresceu em quantidade e amplitude devido ao bom aproveitamento dos dados captados na própria plataforma, via business intelligence. Isso a tornou o lar de grandes documentários e dramas originais, especiais de comédia, TV infantil, animação e ficção científica.

Netflix gasta em torno de US$ 300 milhões com licenciamento de filmes do Marvel Studios e animações da Disney

A companhia teve que aprender que a expectativa de seu público pode exigir gastos astronômicos, como no licenciamento de séries com público sempre cativo, a exemplo de “Friends” e “The Office”, e em produções como “Stranger Things” e “Master of None”. A chegada do Disney+ removeria grande parte do conteúdo, que já lucra bastante com a Netflix — ela paga em torno de US$ 300 milhões para ter os heróis do Marvel Studios e outras atrações em seu catálogo, por exemplo.

Para o analista Stephan Paternot, CEO do mercado de financiamento de filmes Slated, “a Disney provavelmente dominará completamente” devido à força de seus vários serviços subsidiários, como a ESPN. “É simplesmente de tirar o fôlego a posição da ESPN (líder em esportes ao vivo), do Disney+ (uma biblioteca cada vez maior de franquias familiares de todos os tempos) e do Hulu (que se aproxima mais da Netflix e acumula receita com lentidão, em parte graças a camadas ao vivo e apoiadas por anúncios)”.

netflixFonte: Hiptoro

Porém, a Netflix já se tornou algo muito popular no uso cotidiano, e a maneira como o Disney+ vem chegando ao mercado parece mais com um serviço de nicho: se você não é fã hardcore de Marvel Studios, “Star Wars” ou animações, é pouco provável que a Casa do Mickey tire a liderança da atual campeã de audiência. Mas, como tudo no entretenimento pode mudar, teremos que aguardar para ver como serão os primeiros rounds desse confronto.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Netflix ou Disney+? Quem vai vencer a batalha do streaming?