O Ministério Público de São Paulo (MP-SP) pediu oficialmente ao YouTube que remova diversos vídeos de youtubers mirins que atuam no Brasil. A solicitação faz parte de uma ação civil pública oficializada nesta quarta-feira (2).

Todos os canais denunciados têm algumas características em comum, como serem voltados para o público infantil e normalmente apresentados por crianças ou adolescentes. Os conteúdos produzidos são bem variados, mas o MP-SP está atrás de um tipo bem específico: a publicidade infantil velada, ou seja, sem aviso de que se trata de um conteúdo pago e violando as atuais leis sobre propaganda para essas faixas etárias.

São alvos da ação os seguintes youtubers: Julia Silva, Felipe Calixto, Manoela Antelo, Gabriela Saraivah, Marina Bombonato, Duda MH e Vida de Amy. Os exemplos de vídeos que constam na ação envolvem os criadores de conteúdo abrindo embalagens de brinquedos de várias marcas sem qualquer indicação de que aquilo se trata de publicidade — porém, com o claro propósito das marcas de convencerem o espectador a comprar os itens.

Captura de tela.Vídeos da youtuber Julia Silva, com mais de 4 milhões de inscritos, foram os primeiros alvos da denúncia do MP-SP.

Segundo o texto, a maior parcela da culpa é das fabricantes de brinquedos. "Diversas empresas, aproveitando-se da hipervulnerabilidade tanto da criança youtuber como da criança espectadora, passaram a enviar seus produtos a esses influenciadores digitais para que eles os desembrulhassem, apresentassem, como verdadeiros promotores de venda", diz a ação.

E agora?

Além de apagar os vídeos, a Google, que é a empresa responsável pela plataforma, recebeu a solicitação de impedir que o YouTube seja um meio de burlar as atuais leis contra publicidade infantil. Segundo o Meio & Mensagem, a ideia seria bloquear a monetização de vídeos que "violam os direitos das crianças".

A Google não comentou oficialmente o caso.