Como já noticiamos por aqui, a Apple pode mesmo estar em vias de abandonar a Intel como fornecedora de modem 5G das futuras gerações do iPhone. As últimas informações dão conta de que a empresa de Cupertino teria notificado a Intel de que não vai utilizar as peças da parceira no lançamento da sua linha de produtos do ano de 2020, como se esperava.

A notícia foi um baque para a fornecedora, que interrompeu o processo de desenvolvimento dos modems 5G do projeto Sunny Peak, do qual a Apple seria a maior cliente. Ao que tudo indica, a partir de agora a Intel deve se dedicar ao aperfeiçoamento do produto na tentativa de reconquistar a Apple e poder, enfim, voltar a ser fornecedora da fabricante a partir de 2022. Nada garantido, porém.

Os rumores não parecem infundados. No fim do mês passado, o analista Gus Richard, da Northland, já havia antecipado a informação de que a Apple poderia trocar os modems 5G da Intel por modelos da taiwanesa MediaTek – o que reforça outra informação, ainda anterior, de que a Apple estaria se movimentando para abandonar de vez os processadores Intel na sua linha de computadores.

Cenas dos próximos capítulos

Ainda que a MediaTek surja como forte alternativa, a pergunta sobre quem será de fato o fornecedor dos modems 5G da Apple segue em aberto. A única informação mais concreta, por enquanto, é que, ao menos até o fim de 2018, a Intel está garantida no páreo, pois a Apple estaria empreendendo esforços para depender menos da Qualcomm, com quem vem trocando farpas nos tribunais de Justiça.

O mercado aguarda ansioso pelas definições da empresa de Cupertino. Nada impede que ela retome as relações com a Qualcomm já em 2020, nem que dependa de novos fornecedores, como a MediaTek, ou, ainda, que produza seus próprios modems – o que, como no caso dos processadores, daria à Apple ainda mais controle sobre seus produtos. Aguardamos cenas dos próximos capítulos.