O YouTube tem sido alvo de notícias nos últimos meses não apenas por seu novo visual ou então por uma nova publicação ter se tornado a mais visualizada da história da plataforma. A grande questão é uma polêmica envolvendo conteúdos bizarros surgindo na plataforma YouTube Kids e também vídeos que parecem ser “para a família”, mas estão bem longe disso.

Visando criar um ambiente mais seguro especialmente para crianças, o YouTube divulgou hoje cinco novas medidas para “reforçar a abordagem na proteção de famílias no YouTube e no YouTube Kids”. A ideia básica é evitar crianças sejam expostas a situações perturbadoras seja ao assistir a um vídeo, seja no vídeo em si.

Regras rígidas

O plano de ação do YouTube foi detalhado no blog oficial da plataforma em um texto assinado pela vice-presidente de gerenciamento de produto do site Johanna Wright. A primeira medida dá conta do reforço da aplicação das Diretrizes de Comunidade da plataforma, com uma atuação mais ágil na remoção de conteúdos contando com apoio da tecnologia.

“Nas últimas duas semanas, nós expandimos as nossas as aplicações de nossas diretrizes para remover conteúdo com menores de idade que pode estar ameaçando uma criança, mesmo que esta não tenha sido a intenção de quem enviou o material”, escreve Wright, afirmando ainda que “mais de 50 canais” e “milhares de vídeos” já foram removidos na última semana graças às novas diretrizes.

Até mesmo vídeos de canais ou publicações com personagens infantis expostos a situações adultas entram na mira. Aqui, porém, o conteúdo não será removido, mas ficará indisponível para pessoas não logadas e só poderá ser acessado por contas de maiores de idade. E para levar tudo isso a cabo o YouTube conta com ferramentas de inteligência artificial que analisam todos os vídeos enviados à plataforma.

Bloqueios e sem monetização

A segunda medida anunciada pelo YouTube envolve a suspensão da monetização em vídeos direcionados à família que se provaram inapropriados. Aqui, o YouTube expande as diretrizes de monetização renovadas em junho deste ano a fim de tentar minar a fonte de renda de canais que expõem crianças a situações constrangedoras ou ameaçadoras.

A terceira medida divulgada por Johanna Wright é o bloqueio e a remoção de comentários inapropriados em vídeos com menores de idade. Usando uma combinação de sistemas automatizados e moderadores humanos, o YouTube quer reduzir ao máximo situações como a prática bizarra de fazer comentários eróticos em vídeos inocentes protagonizados por crianças.

Orientação para criadores e ajuda de especialistas

O YouTube conta com o YouTube Kids justamente para filtrar conteúdos que podem ser vistos por crianças, assim, a quarta medida da plataforma de vídeos da Google envolve a orientação aos criadores que desejarem tornar o seu conteúdo “amigável à família”. Um pacote de diretrizes específicas sobre isso será disponibilizado em breve.

Por fim, a quinta e última medida anunciada pelo YouTube trata do apoio de especialistas para resolver a situação de vídeos com muitas nuances. Wright cita como exemplo a questão de personagens de desenhos animados direcionados a um público adulto e que justamente por isso pode não ser apropriado para jovens.

Para saber quando limitar ou não o acesso de pessoas mais novas a esse tipo de material é que o site de vídeos mais usado no mundo contará com a análise e a opinião de especialistas. Apesar de não desenvolver mais como funcionará essa avaliação, o YouTube promete ainda dobrar a quantidade de Trusted Flaggers, os usuários verificados que podem sinalizar vídeos e comentários inapropriados na plataforma.

Em breve

Wright promete que as novas diretrizes do YouTube entram de vez em vigor nas próximas semanas e nos próximos meses. “Estamos totalmente comprometidos em avaliar essas questões e continuaremos a investir os recursos humanos e de engenharia necessários para fazer isso corretamente”, escreve a executiva.