Apesar da grande evolução que ocorreu na fotografia desde a criação dos primeiros daguerreótipos (precursores das máquinas fotográficas que nós conhecemos), a fotografia não sofreu mudanças muito drásticas ao longo dos seus quase 200 anos de existência. Pode parecer estranho dizer isso, mas se considerado o tempo que essa arte teve para se desenvolver, os princípios e funcionamentos não mudaram muito.

E é por isso que a Lytro, uma câmera apresentada recentemente, causou tamanho impacto quando foi lançada. Com ela, é possível tirar fotos sem se preocupar com o foco, que pode ser ajustado posteriormente. Isso é algo bastante inédito na fotografia, já que uma das principais preocupações dos fotógrafos era a de conseguir a nitidez perfeita antes de a imagem ser capturada, e não depois. Clique em algum ponto da imagem a seguir para testar isso:

Como funciona a Lytro

A Lytro funciona com um sistema de foco múltiplo, isto é, ela foca diferentes pontos da imagem e grava isso em um único arquivo. É como se ela batesse várias fotografias ao mesmo tempo com distâncias focais diferentes e reunisse toda essa informação em um só local. Fazer isso com uma câmera normal implicaria em várias imagens diferentes.

Porém, a Lytro faz isso tudo de uma só vez, rapidamente, sem precisar disparar o obturador diversas vezes ou unir os diversos focos em algum editor de imagens posteriormente. Ao capturar a cena, a câmera pega vários pontos de foco em gera uma imagem pronta e - como eles mesmos dizem - viva.

Essencialmente, o que a Lytro faz é aproximar a máquina fotográfica ainda mais do olho humano, já que ela consegue “enxergar” e capturar os momentos da maneira como nós vemos isso, usando algo que os seus engenheiros chamam de “campo de luz” (light field), um parâmetro que não é aproveitado nas câmeras atuais e que faz toda a diferença nesse novo modelo de fotografia.

O que muda?

O que mais causa impacto com o uso da Lytro é o fato de que não é preciso se preocupar com o foco, uma mudança significativa para qualquer fotógrafo. Apesar de hoje em dia existir o sistema de focagem automático, ele não faz todo o trabalho sozinho e, se não existir um cuidado especial, o foco é perdido e o momento capturado também.

A Lytro promete uma experiência muito mais fácil, já que existe um grande parâmetro a menos para se preocupar. É uma grande revolução no mundo da fotografia, já que o foco sempre foi um dos principais aspectos de avaliação de uma boa imagem.

Existem limitações?

Pelo que foi divulgado pela empresa, é possível perceber que sim, existem limitações nesse novo modelo de fotografia. A principal delas é que, apesar de ser possível direcionar o foco posteriormente, não é possível mexer na profundidade de campo das imagens.

Isso é, você pode mover a distância focal pelos diferentes planos da fotografia, mas não pode aumentar ou diminuir o tamanho do campo de foco. Para entender melhor o que é e como funciona a profundidade de campo, leia a explicação existente neste artigo sobre o obturador e o diafragma.

Dessa forma, se você tirar uma foto com uma profundidade de campo pequena, como na fotografia macro, você poderá sim mover o foco, mas a região de nitidez será sempre pequena, pois o tamanho do campo de foco não pode ser alterado. Na pratica, isso quer dizer que, se você tirar uma fotografia macro com um ponto pequeno de foco, não será possível deixá-la inteira focada posteriormente.

E então, é a revolução da fotografia?