(Fonte da imagem: Google)

Toda empresa que se torna líder em sua área de atuação possui no mínimo uma história interessante relacionada aos seus bastidores. Com a gigante das buscas Google não poderia ser diferente, já que se trata de uma companhia conhecida pela inovação constante e pelos métodos de trabalho que fogem ao tradicional.

Neste artigo, reunimos algumas curiosidades pouco divulgadas sobre a empresa, que incluem informações relacionadas à sua construção, filosofia de negócio e relacionamento com funcionários. Confira abaixo a lista, e não deixe de postar sua opinião (e outras curiosidades) em nossa seção de comentários.

Não seja mau

Esse é o lema não oficial da companhia, que figura em destaque no código de conduta que todos os funcionários devem seguir. Além de servir como um lembrete de que a empresa tem um compromisso em seguir a lei de diferentes países, a frase serve como uma forma de estimular o desenvolvimento de produtos eficientes, e que tenham como principal foco o conforto de cada usuário.

Bill Gates considerou a compra da companhia uma má ideia

Em 2002, o então CEO da Microsoft teve a oportunidade de adquirir a Google. Porém, Bill Gates considerou o preço cobrado, US$ 2 bilhões, muito caro para uma companhia que não apresentava nenhum tipo de receita. O tempo provou que, caso Gates tivesse investido na ideia, teria achado o investimento uma pechincha.

Dinheiro para mulheres bonitas

Embora em 2005 o YouTube ainda não fosse propriedade da Google, é difícil desassociar as duas empresas atualmente. Parte do sucesso do site de vídeos, ao menos em sua fase inicial, pode ser atribuída aos estímulos que seus criadores davam para as mulheres consideradas bonitas que postassem contribuições.

(Fonte da imagem: YouTube)

A cada 10 vídeos produzidos, cada uma das moças recebia a quantia de US$100. Não se sabe se isso foi fundamental para transformar o site em um verdadeiro fenômeno de audiência, mas medidas do tipo mostram o quanto seus criadores estavam dispostos a torná-lo um sucesso.

Obsessão por notas escolares

Os fundadores do Google, Larry Page e Sergey Bin, são obcecados pelas notas que seus funcionários tiraram nos SATs, espécie de vestibular realizado para determinar quem entra nas universidades norte-americanas. Diversos empregados relataram que a resposta a essa pergunta foi essencial para que conseguissem as vagas para as quais foram entrevistados.

A empresa acredita que essas notas são relevantes para determinar a esperteza de seus funcionários e, consequentemente, sua capacidade de trabalhar e desenvolver novas invenções. Daí toda a importância dada a esse critério durante as entrevistas de emprego.

Somente 20% dos funcionários ainda usam Windows

(Fonte da imagem: Microsoft)Durante a sessão de perguntas e respostas realizada após o keynote do mais recente Google I/O, o cofundador da companhia, Sergey Brin, afirmou que somente cerca de 20% das máquinas usadas pelos desenvolvedores da companhia possuem o sistema operacional Windows.

 A notícia mostra que a companhia vai contra as tendências de mercado corporativo, que em sua maioria ainda é dominado por sistemas da Microsoft. Porém, com o desenvolvimento cada vez mais rápido do Chrome OS, não é de se espantar que a companhia esteja aos poucos deixando de usar os produtos concorrentes.

Segundo Brin, a expectativa é que daqui há cerca de um ano, somente uma parcela pequena de funcionários ainda utilize sistemas de outras companhias para trabalhar. A expectativa é que os Chromebooks desenvolvidos pela própria empresa se tornem a ferramenta de trabalho preferencial para o desenvolvimento de novos produtos.

Proteção contra terremotos

Para garantir a proteção dos funcionários em caso de terremotos e outros desastres naturais, a Google disponibiliza uma mochila repleta de mantimentos para cada um deles. Dessa forma, espera assegurar a sobrevivência e o conforto de todos caso seja preciso esperar algum tempo até que as equipes de resgate consigam chegar ao local de trabalho.

US$ 72 milhões gastos em comida

Esse é o valor gasto anualmente pela companhia para alimentar todos os funcionários espalhados pelo planeta – em média, cada empregado custa US$ 7530 por ano para a empresa neste quesito. Os detalhes variam conforme o local do mundo em que a pessoa atua, mas em todos eles a empresa mantém a filosofia de deixar seus empregados bem alimentados.

(Fonte da imagem: Flickr de Balazs H)

No Googleplex, sede principal da empresa na Califórnia, cada funcionário tem direito a duas refeições gratuitas por dia em uma das 11 cafeterias espalhadas pelo complexo. Além das diversas opções de pratos oferecidos nestes locais, a empresa também dispõe de diversas lanchonetes menores em que diversos lanches gratuitos estão disponíveis.

Ajuda para todos os aspectos da vida

Além de cuidar da alimentação dos funcionários, a Google também dispõe de serviços variados que incluem cortes de cabelo gratuitos, aulas de línguas estrangeiras, creches e médicos localizados no próprio local de trabalho. Quem possui um carro pode até mesmo usar a estrutura da empresa para lavá-lo gratuitamente e realizar trocas de óleo.

A lista de benefícios oferecidos é bastante variada, e inclui academias, massagistas profissionais e até mesmo uma lavanderia para as roupas dos funcionários. Como bônus, funcionários que moram sozinhos e possuem cachorros podem levar os animais até o trabalho para que eles não se sintam solitários em casa.

“Estou com sorte” traz prejuízos para a companhia

A cada ano, o recurso “Estou com sorte” é responsável por perdas na casa dos US$ 110 milhões para a Google. Como o usuário é redirecionado para um único site após clicar no botão, deixa de visualizar os anúncios publicados na página de resultados do site, resultando em uma perda de receitas para a companhia.

Segundo Marissa Mayer, uma das executivas da companhia, a intenção do recurso é lembrar ao usuário de que o serviço é feito por pessoas como ele. Além disso, a Google acredita que, ao fornecer resultados imediatos para o que cada um procura, ela fortalece sua imagem como uma empresa que atua de forma diferente da concorrência e que não tem o lucro como único objetivo.

Primeiro servidor foi construído com LEGO

A primeira máquina usada para armazenar os dados do que viria a se tornar o Google, que em 1996 ainda era chamado BackRub, era parcialmente construída com peças de LEGO. O computador, que possuía um HD de somente 40GB, foi preservado e é exibido como uma peça de museu pela Universidade de Stanford.

(Fonte da imagem: Laboratório de informática da Universidade de Stanford)

Segundo as lendas, as pecinhas de LEGO foram a melhor forma encontrada pelos desenvolvedores do projeto para conseguir armazenar 10 discos rígidos de 4GB cada. Afinal, se trata de um material relativamente barato e que pode ser expandido facilmente conforme a necessidade do usuário.

A Google está de olho em seus emails

(Fonte da imagem: GMail)Apesar da boa imagem que a Google conserva, nem todas as suas ações são bem vistas pelo público em geral. Usuários do GMail, em especial, são alvo de um sistema que, para muitos, constitui uma violação de privacidade.

Todas as mensagens enviadas e recebidas são analisadas por um processo chamado “extração de conteúdo”, que detecta palavras-chave e as envia para anunciantes. O resultado são as propagandas exibidas nas páginas do serviço, bastante eficientes em “adivinhar” os interesses do usuário.

Essa não é a primeira atitude de caráter duvidoso que rende críticas à companhia, conhecida por reforçar as leis locais mesmo quando elas vão de encontro às manifestações populares. A maior prova disso é a China, na qual a Google é conhecida por colaborar com a censura imposta pelo governo e ocultar resultados que levem a páginas com conteúdos considerados subversivos.

Cupons de desconto TecMundo: