Parece que as grandes empresas têm sido alvo de medidas antimonopólio na Europa. Recentemente, a Gigante das Buscas foi acionada pela Comissão Europeia pela tentativa de criar um monopólio, e agora é a vez de o Facebook entrar nessa dança.

Segundo informações que estão correndo a rede, a empresa está na mira da Bundeskartellamt, autoridade da Alemanha que regula a concorrência no país, que analisa se o Facebook vem se aproveitando da sua popularidade para forçar os usuários a aceitar termos e condições que possivelmente não entendam.

Para a Bundeskartellamt, há uma chance de o Facebook estar, de alguma forma, “extorquindo” informações dos usuários e ajudando a gerar propagandas direcionadas de acordo com o perfil de cada pessoa. O fato de a rede social já ser usada por mais de dois bilhões de pessoas ao redor do globo só amplia o alcance dessa ação.

“Quem não aceita o uso dos dados fica de fora da comunidade da rede social. O medo do isolamento social é explorado para obter acesso a todas as atividades de navegação dos usuários”, explicou Frederik Wiemer, advogado do escritório Heuking Kuehn Lueer Wojtek, localizado em Hamburgo.

Estaria o órgão alemão indo longe demais?

O problema vai um pouco além

Conforme mencionamos anteriormente, o Facebook não é a primeira empresa a entrar na mira de algum órgão europeu por conta de suas práticas, fazendo muitas companhias de tecnologia pagar multas astronômicas. E, evidentemente, isso tem feito alguns advogados ficarem com a pulga atrás da orelha.

Para alguns membros do ramo do Direito, a investigação feita pela Bundeskartellamt está colocando à prova os limites da lei antimonopólio

Para alguns membros do ramo do Direito, a investigação feita pela Bundeskartellamt está colocando à prova os limites da lei antimonopólio, e tais ações estão indo além da rede social e do próprio país – especialmente se levarmos em consideração que todas as empresas de tecnologia que possuem algum tipo de influência sempre tentam encontrar uma forma de explorar as informações enviadas pelos usuários.

Ao que tudo indica, essa não é uma “novela” que terminará cedo, então o jeito é ficar de olho para ver como os países europeus e as companhias de tecnologia vão se comportar daqui para frente.

Cupons de desconto TecMundo: