iPhone 13 pode ficar mais caro com aumento no preço de chips

1 min de leitura
Imagem de: iPhone 13 pode ficar mais caro com aumento no preço de chips
Imagem: Apple
Essa não é uma matéria patrocinada. Contudo, o TecMundo pode receber uma comissão das lojas, caso você faça uma compra.
Avatar do autor

O anúncio de que CPUs e GPUs fabricados pela Taiwan Semiconductor Manufacturing Company (TSMC) passarão por um reajuste de preço deve impactar também o valor de eletrônicos no varejo. Segundo o jornal DigiTimes, que ouviu fontes ligadas à indústria, a Apple já planeja aumentar o preço cobrado pela linha iPhone 13, que deve ser apresentada oficialmente em setembro de 2021.

"A Apple provavelmente deve colocar preços mais altos para os próximos iPhones e outras linhas. [...] Múltiplas marcas de notebook, que subiram o valor entre 5% e 10% neste ano, devem continuar a busca por alternativas para suavizar o impacto na alta dos custos em relação ao lucro", de acordo com a reportagem.

Vai subir mesmo?

Em outras palavras, para evitar que o lucro gerado por cada smartphone vendido seja reduzido graças ao aumento no preço de fabricação e de componentes, o valor do produto precisará passar por um reajuste. A porcentagem do suposto aumento não foi revelada.

A alteração anunciada pela TSMC é resultado da crescente demanda por semicondutores e a escassez de componentes no mercado, algo que ainda deve ser refletido no mercado em 2022. Mesmo sendo uma das maiores clientes da empresa, a própria Apple também precisou ampliar contratos para fabricação de chips e pode ter problemas de estoque em alguns dispositivos.

Até agora, a Apple não detalhou recursos ou informações sobre o iPhone 13. O preço dos dispositivos deve ser revelado somente na conferência de anúncio do dispositivo, especulada para acontecer em 17 de setembro deste ano.