iPhone é 'pescado' após passar 8 meses no fundo de um rio

1 min de leitura
Imagem de: iPhone é 'pescado' após passar 8 meses no fundo de um rio
Imagem: Unsplash
Essa não é uma matéria patrocinada. Contudo, o TecMundo pode receber uma comissão das lojas, caso você faça uma compra.
Avatar do autor

Imagine sair para pescar e voltar para casa com um iPhone "fisgado" na água, em vez de alguns peixes. Isso aconteceu com o pescador Jason Robinson, quando navegava em seu barco pelo rio Waccamaw, que fica na Carolina do Sul (Estados Unidos), conforme noticiou o site WMBF News na quarta-feira (21).

Em um certo momento da pescaria, ele notou que a sua linha havia pegado algo, e quando a puxou teve uma grande surpresa. Não era nenhuma espécie de peixe nativa da região nem outro tipo de animal, ele "pescou" um iPhone, que parece ser do modelo X ou XS.

Curioso com o dispositivo encontrado na ponta do anzol, Robinson limpou o celular da Apple coberto de lama e notou que ele trazia uma fotografia. Armazenado entre o case e o smartphone, o retrato mostrava uma mulher carregando um rapaz no colo e acabou inspirando o pescador a procurar pelos donos do aparelho.

Case, iPhone e foto encontrados no fundo do rio pelo pescador.Case, iPhone e foto encontrados no fundo do rio pelo pescador.Fonte:  WMBF News/Reprodução 

“Sempre me disseram para fazer a coisa certa, não importa o que seja, não importa o que está acontecendo na vida, então no final do dia você sabe que fez o que podia para tornar a vida melhor para outra pessoa”, disse Robinson à publicação.

De quem é este telefone?

Após tirar uma foto do retrato encontrado junto ao iPhone submerso no rio, o pescador a compartilhou no Facebook e não demorou nem cinco minutos para encontrar a mulher que aparecia na imagem. Tratava-se de Riley Johnson, cujo marido perdeu o celular há oito meses, enquanto pescava.

O telefone foi devolvido a ela, quando Johnson contou que a foto foi registrada em 2018, na época em que o casal começou a namorar. Quanto ao iPhone “pescado” no rio, não há informações se ele continua a funcionar após passar todo esse tempo submerso, o que não seria inédito.