Apesar de ter sido a primeira empresa a lançar um aparelho Android e ser um dos principais nomes da indústria mobile por anos, a HTC está passando por uma fase difícil atualmente. A companhia, porém, já teria uma estratatégia para tentar dar a volta por cima: começar a licenciar sua marca para outras fabricantes em busca de mais ganhos. Com isso, pode ser que a taiwanesa tenha desistido de fabricar seus próprios smartphones, mas pretende se manter viva no setor de smartphones.

De acordo com informações do site Economic Times, a HTC está negociando com algumas fabricantes para colocar sua marca em smartphones vendidos na Índia para atuar nos segmentos intemediário e de entrada. Segundo a publicação, as negociações já estão avançadas com algumas representantes presentes no mercado indiano. 

Imagem: Reprodução/Trusted Reviews

Os rumores apontam que uma das possibilidade inclui a união das fabricantes Lava e Karboon para lincenciar o nome da HTC na Índia. Outra companhia que estaria interessada em um acordo é a Micromax. Nos dois casos, a parceria pode ser útil tanto para as empresas nativas como para a companhia de Taiwan.

Atualmente, o país é um dos maiores e mais lucrativos mercados de smartphones do mundo, além de contar com altos índices de crescimento no uso de dispositivos móveis. Apesar dos lucros em queda, a HTC ainda possui um nome famoso e que pode chamar a atenção de alguns consumidores na Índia.

Caso o acordo seja fechado, a HTC ganhará dinheiro com royalties por emprestar sua marca. A estratégia já é amplamente conhecida e a BlackBerry, outro nome conhecido do mundo dos smartphones, também costuma adotar essa técnica para manter sua marca viva no mercado de smartphones.

O principal empecílio que a HTC pode enfrentar na nova empreitada é a popularidade das marcas chinesas na Índia. Fabricantes como Xiaomi e Oppo tiraram o protagonismo das empresas locais no mercado mobile com seus smartphones focados em custo-benefício.

Será que a clássica marca tem força para ajudar as empresas indianas a enfrentarem as atuais gigantes asiáticas? Deixe sua opinião nos comentários!