Viúva Negra: CEO da Disney defende companhia ao comentar processo de atriz

1 min de leitura
Imagem de: Viúva Negra: CEO da Disney defende companhia ao comentar processo de atriz
Avatar do autor

Recentemente, Bob Chapek, CEO da Disney, fez uma série de comentários sobre o processo movido pela atriz Scarlett Johansson contra a companhia. Segundo Johansson, o motivo da ação judicial teria sido o lançamento não previsto em contrato do filme Viúva Negra no Disney+.

As declarações de Chapek foram realizadas durante a 30ª Conferência anual da Goldman Sachs Communacopia.

“A Disney tem uma longa história de negócios muito simbióticos e cooperativos com os nossos talentos e continuaremos a ter. Estamos em um momento em que os filmes foram concebidos sob um entendimento sobre como o mundo seria, porque, francamente, não mudou muito”, disse Chapek ao ser questionado sobre o processo.

Scarlett Johansson em Viúva Negra. (Disney+/Reprodução)Scarlett Johansson em Viúva Negra. (Disney+/Reprodução)Fonte:  Disney+ 

“Lembre-se, esses filmes foram feitos há três ou quatro anos, esses negócios foram fechados há três ou quatro anos. Em seguida, eles são lançados no meio de uma pandemia global, onde a própria pandemia está acelerando uma segunda dinâmica, que é essa mudança no comportamento do consumidor”, falou.

“Então, estamos colocando um pino quadrado em um buraco redondo agora, em que temos um acordo concebido sob um determinado conjunto de condições, que na verdade resulta em um filme que está sendo lançado em um conjunto de condições completamente diferentes”, continuou.

“No entanto, acreditamos que nossos atores são o nosso ativo mais importante e continuaremos a acreditar que, como sempre fizemos, iremos compensá-los de forma justa de acordo com os termos do contrato que eles firmaram conosco”, finalizou.

Scarlett Johansson e o processo da Disney: entenda o caso

Em julho, Scarlett Johansson anunciou que estava movendo um processo contra a Disney por ter laçando Viúva Negra, filme que protagonizou, no Disney+. A atriz alegou que seu salário estava atrelado principalmente a bilheteria da produção e que o lançamento no serviço de assinatura da emissora poderia ser considerado uma quebra de contrato.

Rapidamente a notícia se tornou um dos assuntos mais comentados do mundo. No entanto, um porta voz da companhia se pronunciou na época, dizendo que a medida tomada por Johansson foi um "desrespeito cruel" contra o estúdio.

Até o momento, nenhuma outra atualização do caso foi divulgada. Fique ligado(a) e não perca nenhuma novidade sobre filmes e séries!