Na última segunda-feira (7), a polícia de Porto Rico anunciou a prisão de Omar Emanuel Falcon Torres. Ele foi detido sob as acusações de apropriação indevida de identidade, intimidação de testemunhas, falsificação, uso e divulgação de dados pessoais, perseguição, além de outros crimes menores. De acordo com o comunicado liberado pelas autoridades, ao longo dos últimos dois anos o acusado teria criado mais de 300 perfis no Twitter para realizar essas ações, grande parte deles sob o pseudônimo MedeaBot.

Sempre que os usuários ameaçados denunciavam uma conta em questão para a gestão da rede social, essa era investigada e excluída, mas o criminoso criava outra em seguida. A polícia acredita que Torres tenha assediado centenas de pessoas dessa forma, mas somente oito prestaram queixas formais. O mandato de prisão contra ele foi emitido em setembro deste ano, mas desde então ele estava foragido.

Essa é a primeira prisão dessa natureza em território americano de que se tem registro (Porto Rico é um território sem personalidade jurídica dos Estados Unidos), de acordo com a nota emitida pela polícia porto-riquenha. O acusado, que tem 27 anos, poderia responder ao processo movido contra ele caso pagasse fiança, mas o valor determinado para a sua liberação foi de US$ 180 mil (cerca de R$ 679,3 mil).

A primeira audiência do caso acontecerá no próximo dia 21 de dezembro, e o processo será conduzido pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos. No entanto, não foram reveladas as motivações de Torres para cometer os crimes associados de que está sendo acusado nem se alguma das vítimas o conhecia ou possuía alguma ligação com ele.

Você acha que a justiça brasileira já está preparada hoje para lidar com crimes virtuais? Por quê? Comente no Fórum do TecMundo

Cupons de desconto TecMundo: