O mundo do cinema sempre foi capaz de trazer para os espectadores uma série de invenções que, infelizmente, não teriam a possibilidade de existir no mundo real. Apesar dos sonhos e das criações mais ousadas das mentes de escritores, diretores e roteiristas, nem tudo o que é apresentado condiz com a realidade, mas ainda assim o efeito é o mesmo: fascínio e encantamento.

Nesse quesito, os computadores mostrados na tela grande sempre foram responsáveis por um show à parte. Reconhecimento de voz, inteligência artificial, gráficos em três dimensões e conexão rápida e estável a partir de qualquer ponto da Terra são alguns dos atrativos sempre presentes nas obras de ficção.

O Tecmundo preparou uma seleção com algumas das principais máquinas que ganharam vida no mundo do cinema e se tornaram muito mais do que meras coadjuvantes. Prepare-se para conhecer os computadores mais alucinantes da sétima arte que, se existissem na vida real, certamente mereceriam ganhar um Oscar.

2001 – Uma Odisseia no Espaço

(Fonte da imagem: Warner Bros)

Considerado pela crítica como um dos filmes mais importantes da história do cinema, “2001 – Uma Odisseia no Espaço” foi lançado no final da década de 60, mas seus efeitos especiais continuam atuais. O filme foi baseado em uma obra homônima do escritor Arthur C. Clarke e nos cinemas foi adaptado pelo diretor Stanley Kubrick.

A grande atração da produção é HAL 9000, um computador algorítmico heuristicamente programado que comanda todas as ações à bordo da nave espacial Discovery. HAL é dotado de inteligência artificial, sendo capaz de falar naturalmente, reconhecer imagens e áudios, interpretar emoções, raciocinar e decifrar manifestações artísticas.

Embora algumas das atrações do HAL sejam hoje comuns aos smartphones, à época o conceito estava longe de se tornar realidade. Ainda assim, na atualidade, as máquinas existentes não são capazes de raciocinar por conta própria ou mesmo expressar emoções de maneira convincente, o que torna o computador bastante especial.

Minority Report – A Nova Lei

(Fonte da imagem: Fox)

Dirigida por Steven Spielberg e estrelada por Tom Cruise, a produção “Minority Report – A Nova Lei”, lançada em 2002, apresentou ao mundo dezenas de novas ideias e tecnologias que poderiam virar realidade no ano de 2054, período em que se passa a história baseada em um conto do escritor Philip K. Dick.

Toda a trama de Minority Report se desenvolve em função do sistema computadorizado de pré-crime, uma tecnologia baseada nos Pré-Cogs, seres dotados de alta capacidade cognitiva e capazes de prever um crime antes mesmo que ele aconteça. Na vida real a chance de que algo do gênero exista um dia é remotíssima.

Contudo, a polícia da Califórnia vem utilizando um software que analisa dados históricos de criminalidade e afunila as regiões mais perigosas, numa tentativa de prever as ocorrências. Já as telas com interface touchscreen, elementos icônicos da produção, estão cada dia mais próximas do consumidor e muito do que se vê no filme já pode ser encontrado nas lojas.

O Demolidor

(Fonte da imagem: Warner Bros)

O Demolidor” acompanha a história do policial John Spartan (Sylvester Stallone). Depois de ser enganado pelo bandido Simon Phoenix (Wesley Snipes), Spartan é condenado a uma prisão de criogenia. Lá ele passa 36 anos até que é descongelado e volta a atuar no combate ao crime. A cidade de Los Angeles, no entanto, está completamente diferente. O crime foi erradicado, os costumes mudaram e o controle sobre a população parece estar por toda a parte.

Para que isso seja possível, um grande sistema é criado, controlando todos os movimentos dos cidadãos. Câmeras por todos os lados, identificação pessoal pela íris, veículos com controle de rota, piloto automático e videoconferência são algumas das invenções mantidas por um grande sistema.

Gamer

(Fonte da imagem: Imagem Filmes)

Num futuro próximo, um revolucionário video game online será a mais popular forma de diversão. Semanalmente, milhões de internautas assistem a condenados lutando para sobreviver como se fossem personagens virtuais em um video game. O computador e o sistema de controle criado no filme “Gamer”, embora nada ético, impressiona pela riqueza de detalhes.

O roteiro da produção leva ao extremo o conceito de jogos universais como futuro do entretenimento. O resultado são prisioneiros transformados em um FPS na vida real, nos moldes de games como Combat Arms e Counter Strike. O filme mostra ainda outra maneira de controle sobre pessoas comuns, transformando alguns cidadãos em meros personagens de Second Life.

Homem de Ferro

(Fonte da imagem: Paramount Pictures)

Nas histórias em quadrinhos, Jarvis é um mordomo e conselheiro de Tony Stark (muito parecido com Alfred, de Bruce Wayne), mas nos cinemas ele ganhou formas eletrônicas para ser o computador pessoal do protagonista do filme “Homem de Ferro”. Possuindo uma inteligência artificial incrível, Jarvis pode até mesmo raciocinar independentemente dos comandos de seu dono.

Casas com modernos sistemas de controle remoto para vários ambientes, daqueles que são utilizados para acender lareiras, ligar a televisão, modificar as luzes e controlar o sistema de som, por exemplo, são os modelos reais mais próximos do “mordomo”. Contudo, até que um ser cibernético similar ao melhor amigo de Tony Stark seja desenvolvido, ainda veremos muitas experiências aquém deste potencial por aí.

O Exterminador do Futuro

(Fonte da imagem: Universal Pictures)

Um dos maiores clássicos dos filmes de ação, a série “O Exterminador do Futuro” tem um supercomputador como uma das principais atrações. Em um futuro distante, o mundo foi dominado por um sistema chamado Skynet, criado para servir como a rede de defesa norte-americana.

Entretanto, a máquina sai do controle e passa a considerar todos os humanos como uma ameaça e, dessa forma, tenta exterminar a vida na Terra com o lançamento de bombas nucleares. Prevendo que poderia estar em risco, a Skynet manda um exterminador para o passado, com a missão de matar a mãe do homem que está destinado a destruir o sistema.

O sucesso do filme foi tão grande e o conceito da Skynet se tornou tão popular que é comum encontrarmos na internet diversas referencias à Google como a “versão real” do sistema fictício que planeja dominar o mundo.

Avatar

(Fonte da imagem: Fox)

Maior bilheteria da história do cinema, com faturamento de quase US$ 3 bilhões, o filme “Avatar” é também um marco tecnológico na indústria cinematográfica. Se para a criação do mundo de Pandora foi necessário o desenvolvimento de várias tecnologias de filmagem, computação gráfica e captura de movimentos, o mundo idealizado por James Cameron também não é diferente.

Em se tratando de computadores, além da integração entre todos os dispositivos eletrônicos que aparecem na produção, o que mais chama a atenção é o computador 3D. A máquina é a responsável por manter uma maquete virtual de Pandora no centro da sala de operações e comando. O visual impressiona tanto quanto a beleza do lugar.

Na vida real, embora o visual em três dimensões esteja na moda, infelizmente ainda estamos distantes de conseguir algo do gênero. O mais próximo que podemos imaginar são os aplicativos de realidade aumentada, tecnologia com potencial para se desenvolver bastante nos próximos anos.