Tesla de Elon Musk projeta bateria de carro elétrico para durar 100 anos

1 min de leitura
Imagem de: Tesla de Elon Musk projeta bateria de carro elétrico para durar 100 anos
Imagem: Tesla
Avatar do autor

O grupo de pesquisa avançada de baterias da Tesla no Canadá publicou, no início deste mês, um artigo no qual relata o desenvolvimento de uma nova bateria à base de níquel que pode ser usada em carros elétricos. De acordo com o estudo, a bateria pode durar até 100 anos.

A equipe da montadora de veículos elétricos trabalha, desde 2016, em conjunto com o laboratório do especialista Jeff Dahn na Universidade de Dalhousie, na cidade de Halifax.

Carro elétrico é recarregado em estação na ruaCarro elétrico é recarregado em estação na ruaFonte:  Shutterstock 

Depois da produção de algumas patentes e publicações sobre baterias, a parceria foi estendida até 2026, tendo como foco a redução dos custos das baterias, via aumento potencial da sua densidade e durabilidade de energia.

Como irá funcionar a bateria de 100 anos?

Um dos conceitos-chave para a autonomia da bateria é a sua densidade, que é a quantidade de energia capaz de ser armazenada em um volume de combustível. Uma bateria com maior densidade, por exemplo, ocupa menos espaço no veículo. No caso da Tesla, são usadas atualmente as baterias de íons de lítio do tipo LFP (fosfato de ferro e lítio), que oferecem um intervalo maior entre as cargas.

A proposta do novo artigo é justamente aumentar a densidade de energia, utilizando níquel na composição química da bateria, para assegurar uma autonomia maior. As baterias com esse metal de transição revelaram-se também mais duráveis que as LFPs. Na hipótese de uso da bateria de níquel a uma temperatura de 25ºC constantes, o seu tempo de vida poderia ultrapassar os 100 anos, afirma o estudo.

A melhora da vida útil "em alta temperatura é demonstrada com eletrólitos que contêm sal de bis(flurosulonil)mida de lítio (LiFSl), muito além daqueles fornecidos pelos eletrólitos convencionais de LiPF6”, afirma o estudo. Os pesquisadores acrescentam que o benefício ocorre mesmo em químicas com pouco ou nenhum cobalto.

ARTIGO - Journal of The Electrochemical Society - DOI 10.1149/1945-7111/ac67b5.