Dormir pouco leva adolescentes a consumir mais açúcar, mostra estudo

3 min de leitura
Imagem de: Dormir pouco leva adolescentes a consumir mais açúcar, mostra estudo
Imagem: Foto de Bob Ward no Pexels

Um estudo da Universidade Brigham Young, nos Estados Unidos, concluiu que dormir pouco impacta negativamente a alimentação dos adolescentes.

Nos dias em que dormiram por seis horas e meia, os indivíduos consumiram mais alimentos ricos em carboidratos e adição de açúcar, menos frutas e legumes e mais bebidas açucaradas do que ao manter um padrão de sono saudável.

As mudanças na alimentação ocorreram principalmente no final da noite, após às 21h. Cientistas veem a alteração como resultado da busca por alimentos que forneçam rápidas explosões de energia, mantendo o indivíduo em atividade até a hora de dormir.

“O que é interessante é que dormir menos não fez com que os adolescentes comessem mais do que seus pares que dormiram saudavelmente, mas dormir menos fez com que os adolescentes comessem mais porcarias”, afirma a autora principal do estudo, Kara Duraccio.

Os pesquisadores estimam que, em um ano letivo, adolescentes que dormem pouco consomem 2kg a mais de açúcar do que se dormissem o recomendado de 8 a 10 horas. São 12 gramas extras por dia, considerando um ano letivo de 180 dias.

Piores hábitos alimentares aumentam o risco de doenças como hipertensão e diabetes; investir em intervenções que aumentem a quantidade e qualidade do sono dos jovens pode auxiliar em sua prevenção.

Pesquisadores estimam que, em um ano letivo de 180 dias, adolescentes que dormem pouco consomem 2 kg a mais de açúcarPesquisadores estimam que, em um ano letivo de 180 dias, adolescentes que dormem pouco consomem 2 kg a mais de açúcarFonte:  Pixabay 

Realização do estudo

O estudo analisou os padrões de sono e alimentação de 93 adolescentes saudáveis, com idades entre 14 e 17 anos. Os participantes foram acompanhados por três semanas, durante as quais usaram dispositivos para medir sono e atividade física, preencheram diários de sono e responderam entrevistas relativas à sua alimentação.

Após uma semana de adaptação, os indivíduos iniciaram rotinas de sono restritas, similares às mantidas no período escolar. Durante cinco dias, passaram seis horas e meia por noite na cama, quantidade de sono considerada insuficiente.

Em outro período de cinco dias, passaram nove horas e meia por noite na cama, quantidade considerada saudável. Os participantes foram instruídos a evitar sonecas e a restringir o consumo de energéticos e cafeína durante o estudo.

A quantidade de sono foi analisada em relação aos padrões alimentares dos adolescentes, incluindo sua ingestão calórica, os tipos de alimento consumidos e a carga glicêmica, que indica o impacto do alimento nos níveis de glicose do sangue.

A pesquisa foi realizada em um hospital pediátrico de Cincinnati e apoiada pelos Institutos Nacionais da Saúde dos Estados Unidos.

Maioria dos adolescentes não dorme o suficiente

Apesar de o sono ser essencial ao desenvolvimento, a maioria dos adolescentes não dorme o suficiente. Segundo a American Academy of Pediatrics, 73% dos estudantes do ensino médio descansam menos do que o recomendado de 8 a 10 horas por noite.

Com a adolescência, há mudanças no ritmo biológico: adolescentes sentem sono mais tarde, o que leva especialistas a defender que as aulas também comecem mais tarde, adaptando seus horários ao ritmo biológico de cada faixa etária.

Esta discussão foi reacendida durante a pandemia. Enquanto algumas pesquisas indicaram aumento nos sintomas de insônia associados à ansiedade, outras mostraram que as aulas remotas possibilitaram que os adolescentes dormissem até mais tarde, se sentindo mais alertas e descansados durante o dia.

Além de aumentar o risco de doenças associadas à má alimentação e maior consumo de açúcar, dormir pouco aumenta o risco de doenças mentais, de baixo desempenho acadêmico e de problemas comportamentais, e é um hábito que deve ser reavaliado.

“É da natureza humana pensar que quando temos uma longa lista de coisas a fazer, o sono deve ser a primeira coisa a ir ou a coisa mais fácil de cortar. Não reconhecemos que dormir o suficiente ajuda a realizar melhor sua lista de afazeres", alerta Duraccio.

ARTIGO Sleep: doi.org/10.1093/sleep/zsab269