SUS segue com dados incompletos de covid após ataque

1 min de leitura
Imagem de: SUS segue com dados incompletos de covid após ataque
Imagem: Ministério da Saúde
Avatar do autor

O Ministério da Saúde sofreu um ataque cibernético na madrugada do dia 10 e, desde então, os sistemas do órgão ainda estão instáveis. O banco de dados de covid-19, que também foi afetado, tem causado transtorno em diferentes estados do país, impedindo métricas precisas sobre a pandemia.

O DataSUS, portal que reúne dados do sistema de saúde, é fundamental para que pesquisadores possam conduzir estudos de saúde pública no país, inclusive de epidemiologia. O sistema já completa 10 dias fora do ar, o que está prejudicando o mapeamento de dados sobre o coronavírus e também a influenza.

Outro serviço afetado, o aplicativo ConecteSUS também segue com instabilidades, mas deve voltar a funcionar normalmente ainda nesta semana, de acordo com as estimativas do Ministério da Saúde. A plataforma reúne dados importantes sobre a imunização, incluindo a carteira de vacinação contra o coronavírus, medicação e atendimento de pacientes e usuários do SUS.

Alvo frequente

Neste ano, o Ministério da Saúde já foi alvo de dois outros ataques. Ambos miravam no sistema FormSUS e não tiveram danos aos dados, mas vieram acompanhados de mensagens com críticas à segurança da plataforma.

Leia também: Ataque cibernético afeta PF e PRF; policiais têm dados apagados

As contantes falhas levantam discussões sobre a segurança dos dados pessoais disponíveis no sistema do SUS. Além de invasões por terceiros, os cadastros são facilmente acessáveis por usuários do sistema, que podem estar mal-intencionados. Alguns dos ataques recentes contra órgãos do governo, inclusive, podem ter sido realizados por agentes internos.

Neste ano, por exemplo, personalidades como o epidemiologista e divulgador científico Átila Iamarino tiveram dados alterados no sistema do SUS. As informações pessoais do cientista e até mesmo da sua mãe foram editadas. Átila, uma das principais vozes no combate à pandemia no país e na disseminação da vacina, acredita que o ataque teve motivações políticas.