Estudo do governo aponta resíduos irregulares em 11% dos vegetais; entenda

1 min de leitura
Imagem de: Estudo do governo aponta resíduos irregulares em 11% dos vegetais; entenda
Imagem: Shutterstock
Avatar do autor

Foi publicada na sexta-feira (19), no Diário Oficial da União, uma pesquisa realizada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), em 2019 e 2020. Na pesquisa, 11% dos alimentos de origem vegetal analisados apresentaram resíduos de defensivos agrícolas (10%) e a presença de contaminantes, como Salmonella e micotoxinas (1%).

O Plano Nacional de Controle de Resíduos e Contaminantes em Produtos de Origem Vegetal (PNCRC/Vegetal) foi o responsável por analisar as 2,6 mil amostras. O Plano visa monitorar e fiscalizar os “resíduos de defensivos agrícolas e de contaminantes químicos e biológicos em produtos de origem vegetal nacionais e importados”, conforme diz o comunicado no site oficial do Governo.

Os resultados da pesquisa apontam que 89% das amostras de produtos de origem vegetal, analisadas pelo PNCRC/Vegetal, estão dentro do nível de conformidade e são seguros para consumo. Deste total, 49% não apresentaram nenhum resíduo ou contaminante, e os outros 40% apresentaram valores abaixo do Limite Máximo de Resíduos (LMR). Desde 2019, a fiscalização passou a multar irregularidades — mais de R$4 milhões em multas já foram aplicados pelo Mapa.

Amostras irregulares

O feijão foi o vegetal que apresentou maior nível de resíduos (Fonte: Shutterstock/Reprodução)O feijão foi o vegetal que apresentou maior nível de resíduos (Fonte: Shutterstock/Reprodução)Fonte:  Shutterstock 

Dos 37 tipos de produtos analisados, os que mais apresentaram inconformidades foram o feijão comum (Phaseolus vulgaris) e o feijão-de-corda (Vigna unguiculata). Segundo a Anvisa, “as irregularidades não apresentam risco agudo no consumo desses alimentos”.

O Ministério autuou as empresas embaladoras dos produtos e, em conjunto com Associações e Institutos do feijão no Brasil, está montando estratégias de monitoramento dos resíduos e rastreabilidade dos produtos. Os embaladores já adotaram a execução de testes rápidos para identificar os resíduos de defensivos (agrotóxicos) ao receberem os feijões.

Dentre as amostras, muitas apresentaram estar 100% dentro das conformidades durante o período da pesquisa, como alho, amêndoa, avelã, café, castanha de caju, entre outros. As que estão abaixo de 70% — em sua maioria pelo uso de produtos não permitidos — são: goiaba, morango e pimentão, além do feijão comum e do feijão-de-corda.

Fontes