Astrônomo amador brasileiro grava colisão de rocha com Júpiter; veja

1 min de leitura
Imagem de: Astrônomo amador brasileiro grava colisão de rocha com Júpiter; veja
Imagem: Pixabay
Avatar do autor

O planeta Júpiter foi atingido por um corpo celeste na segunda-feira (13), e um brasileiro foi o primeiro a registrar o evento. O astrônomo amador José Luis Pereira gravou o impacto por volta das 19h39, com seu equipamento montado na cidade de São Caetano do Sul, na região metropolitana de São Paulo.

Um observador constante do céu noturno, Pereira notou um flash de luz no maior planeta do Sistema Solar enquanto tirava fotos e gravava vídeos do astro. A princípio, não desconfiou se tratar do impacto de uma rocha espacial e continuou fazendo os registros, mas resolveu usar o programa DeTeCt para analisar o arquivo e tirar dúvidas.

Alertado sobre a possibilidade de ter gravado um impacto em Júpiter, ele enviou a gravação (veja abaixo) para o coordenador do projeto DeTeCt Marc Delcroix, que confirmou: as imagens realmente mostravam a queda de um bólido no gigante gasoso. Detecções adicionais registradas na França e na Alemanha ajudaram no trabalho.

“Para mim, foi um momento de grande emoção, pois há muitos anos tento registrar um acontecimento como esse”, disse o astrônomo ao site Space.com. Ele usa um telescópio newtoniano com espelho principal de 275 mm, além de uma câmera específica para o equipamento, para monitorar eventos astronômicos.

Grande impacto registrado em 1994

Em julho de 1994, o futebol dominava o noticiário, por causa da disputa da Copa do Mundo nos Estados Unidos. Mas durante alguns momentos daquele mês, o esporte dividiu as atenções com a cobertura de um evento astronômico de grande importância, monitorado por especialistas de todo o mundo.

Fragmentos do cometa Shoemaker-Levy 9, que tinha cerca de 1 km de diâmetro, se chocaram contra Júpiter ao longo de seis dias, deixando enormes buracos na densa atmosfera do planeta. Os impactos resultaram em marcas que puderam ser observadas durante várias semanas, além de gerar ondas sísmicas com velocidade de 450 km/s.

Marcadas deixadas pelo cometa Shoemaker-Levy 9 em JúpiterMarcadas deixadas pelo cometa Shoemaker-Levy 9 em JúpiterFonte:  Wikimedia Commons 

Outro impacto monitorado por cientistas ocorreu em 2009, com a queda de um asteroide por lá. Já em relação ao que atingiu Júpiter dessa vez, ainda é cedo para saber, mas astrônomos ouvidos pelo SpaceWeather apontam para a possibilidade de um cometa ou asteroide com tamanho aproximado de 100 metros.