Casas com painéis solares: qual o impacto de 30 milhões delas?

2 min de leitura
Imagem de: Casas com painéis solares: qual o impacto de 30 milhões delas?
Imagem: Kelly Lace/Pexels
Avatar do autor

Um relatório feito pelo Instituto para Autossuficiência Local (ILSR), uma entidade americana pela democracia energética, apontou que 30 milhões de casas funcionando com energia solar (fotovoltaica) no país criariam 1,77 milhão de empregos e 69 bilhões de dólares em economia de energia. A entidade agora busca captar recursos e apoio político para tornar o projeto realidade.

Trabalhador da construção civil próximo de painéis solaresTrabalhador da construção civil próximo de painéis solaresFonte:  senivpetro/Freepik 

O relatório conclui que a instalação de painéis solares em telhados e sistemas solares comunitários para servir o equivalente a 30 milhões de lares americanos criaria benefícios econômicos significativos. Além do grande número de empregos, a economia na conta de eletricidade foi calculada pelos próximos cinco anos. A ILSR aponta que, além desses benefícios, a iniciativa auxiliaria a diminuir a crise climática e desigualdades históricas.

Intitulado, em livre tradução, como “O impacto nacional de 30 milhões de residências solares: uma visão para uma recuperação econômica equitativa baseada na proteção do clima e na democracia energética”, o documento é baseado nas recomendações de políticas federais dos Estados Unidos como parte da campanha por 30 milhões de casas solares e foi feito por diversas entidades locais a favor da energia solar.

Entre os benefícios destacados pela ILSR, está o aumento da capacidade solar dos Estados Unidos em 151 gigawatts.

A entidade elencou no relatório os benefícios econômicos e ambientais discriminadamente por estado e distrito eleitoral americano. Também foi criado um mapa interativo para ilustrar os impactos locais da proposta de 30 milhões de casas solares e oferecer ao usuário a oportunidade de compartilhar o relatório com os político que elegeu, como forma de pressão pela adoção da iniciativa.

Já existe uma ampla adesão à campanha no país: mais de 330 organizações de energia, clima, negócios, meio ambiente, religiosas e de saúde pública enviaram uma carta ao congresso americano pedindo a adoção das recomendações de políticas federais para 30 milhões de casas solares.

As recomendações incluem a expansão do acesso à energia solar por meio de assistência de energia a pessoas de baixa renda, tornando os créditos fiscais federais de energia solar adotados no país mais equitativos — e apoiando o financiamento federal e programas de concessão para implantação solar local.

O relatório aponta ainda que a maioria dos investimentos federais beneficiaria comunidades historicamente marginalizadas. Todo o material produzido pela ILSR, o mapa interativo e outros recursos estão disponíveis no site da campanha 30 milhões de casas solares e pode ser acessado, em inglês, aqui.

Energia solar no Brasil

No Brasil, segundo dados da BP Statistical Review 2020 publicados pela FGV, a matriz energética tem 43% do seu mix gerado por fontes renováveis, mas a energia solar ainda não é responsável por nem mesmo 1% da geração de energia local.

O governo brasileiro afirma estar preparando um novo programa de incentivo à energia solar, batizado de "Pró-Sol", em analogia ao pré-sal, devido à riqueza que o tipo de energia pode gerar.

Nos próximos cinco anos, os projetos de energia solar já contratados pelo governo federal devem movimentar R$ 9,5 bilhões de reais em investimentos, segundo estimativa feita pela Greener, empresa de inteligência de mercado e desenvolvimento de projetos para o setor solar.